Mercado fechará em 2 h 23 min
  • BOVESPA

    107.271,29
    +1.228,81 (+1,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.964,64
    +59,58 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,86
    +0,44 (+1,04%)
     
  • OURO

    1.829,80
    -42,60 (-2,28%)
     
  • BTC-USD

    18.232,05
    -222,69 (-1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    359,78
    -1,65 (-0,46%)
     
  • S&P500

    3.559,58
    +2,04 (+0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.414,59
    +151,11 (+0,52%)
     
  • FTSE

    6.346,14
    -5,31 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.486,20
    +34,66 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.832,50
    -73,25 (-0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4354
    +0,0555 (+0,87%)
     

Ibovespa recua nos primeiros negócios com fraqueza no exterior

Por Paula Arend Laier
·1 minuto de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista mostrava fraqueza nos primeiros negócios desta quinta-feira, após o Ibovespa renovar máxima em mais de quatro meses na véspera, em meio a um ambiente externo menos positivo, com números da China mostrando fraqueza no consumo naquele país e sem tirar a temporada de balanços nos Estados Unidos do radar.

Às 10:14, o Ibovespa caía 0,53 %, a 101.249,54 pontos.

Na quarta-feira, o Ibovespa fechou em alta de mais de 1%, renovando máxima desde março, embalado pelo clima positivo nos mercados no exterior em meio a sinais promissores sobre o desenvolvimento de vacina contra o Covid-19.

Na China, o PIB subiu 3,2% no segundo trimestre ante mesmo período do ano anterior, melhor que previsão em pesquisa da Reuters de alta de 2,5%, mas dados de junho mostraram as vendas no varejo caindo 1,8%, ante expectativa de aumento de 0,3%.