Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.003,78
    -191,35 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Ibovespa recua no dia, mas termina 2022 no azul

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou com declínio discreto nesta quinta-feira, sob pressão das ações da Petrobras, mas assegurou alta no ano, marcado por oscilações muito distintas nas ações da carteira.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 0,46%, a 109.734,60 pontos, fechando a semana no zero a zero e o mês com queda de 2,45%. Em 2022, registrou um acréscimo de 4,69% - mais de 10% em dólar.

O giro financeiro no último pregão do ano somou 24,4 bilhões de reais, abaixo da média diária do ano, em meio aos últimos ajustes antes índices na B3 passarem a ter nova composição.

Investidores encerraram o ano na expectativa de como será o terceiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva, principalmente no aspecto fiscal.

Em Brasília, o presidente eleito, que toma posse no domingo, anunciou o restante da sua equipe ministerial, mas não divulgou nomes para comandar estatais federais, o que deve ocorrer apenas em janeiro, pelo menos no caso de Petrobras.

Para Luiz Adriano Martinez, sócio e gestor de renda variável da Kilima Asset, prevaleceu no dia o receio com a perspectiva fiscal do país, com papéis sensíveis à dinâmica da economia doméstica entre os piores desempenhos.

No exterior, Wall Street teve uma sessão bastante positiva, que diferentemente do Ibovespa caminha para uma perda em 2022, com o S&P 500 registrando até o momento declínio de 19%.

Na sexta-feira não haverá negociação de ações na bolsa paulista, mas os pregões em Nova York funcionarão normalmente.

Estrategistas apontam cautela para 2023, entendendo que riscos globais envolvem a chance de uma recessão, dada a política monetária ainda contracionista em várias economias, enquanto a reabertura da China, positiva para a atividade e commodities, pode se refletir em piora da inflação.

Ainda assim alguns veem as ações brasileiras como atrativas, beneficiadas entre outros fatores pela retomada da China e seus reflexos nos preços de commodities, além da ausência de tensões geopolíticas que afetam outros mercados emergentes.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN caiu 1,21%, a 24,50 reais, em dia de queda do petróleo Brent e receios sobre o rumo da petrolífera de controle estatal a partir do próximo ano. O futuro ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou que o anúncio do novo presidente da companhia deve ser feito em janeiro. No ano, contudo, a ação valorizou-se 46,85%.

- BRF ON subiu 6,7%, a 8,28 reais, em dia positivo para ações de empresas de alimentos e após acordo de leniência da companhia com a Controladoria-Geral da União e a Advocacia-Geral da União de cerca de 584 milhões de reais ligado às apurações da Operação Carne Fraca e da Operação Trapaça da Polícia Federal. No ano, porém, BRF caiu 63,23%.

- POSITIVO ON saltou 6,83%, a 9,39 reais, mas terminou 2022 com declínio de 9,93%. A ação foi excluída da carteira do Ibovespa que vai vigorar nos primeiros quarto meses do ano.

- IRB BRASIL ON tombou 8,51%, a 0,86 real, após forte alta na véspera, e confirmou o pior desempenho de 2022 do Ibovespa, com declínio de 78,61%, em meio à desconfiança sobre a capacidade da resseguradora de se sustentar diante de prejuízos seguidos, mesmo após um aumento de capital. O papel também foi excluído do Ibovespa que valerá de janeiro a abril.

- MRV ON avançou 1,33%, a 7,6 reais, na contramão do índice do setor imobiliário, após anúncio da construtora sobre venda do empreendimento Oak Enclave, na Flórida, por 113 milhões de dólares em valor geral de venda.

- VIA ON caiu 2,04%, a 2,40 reais, terminando 2022 com declínio de 54,29%. AMERICANAS ON fechou em baixa de 0,72% no dia e acumulando uma perda de 68,66% no ano. MAGAZINE LUIZA ON resistiu e subiu 1,86% nesta quinta-feira, mas despencou 62,05% no ano.

- VALE ON cedeu 0,12%, a 88,88 reais, apesar da alta dos preços do minério de ferro na Ásia, com a referência na bolsa de Dalian subindo para a máxima de mais de seis meses. Em 2022, porém, as ações de mineradora subiram 24,95%.

- ITAÚ UNIBANCO PN fechou com variação negativa de 0,2%, a 25 reais, terminando o ano com alta acumulada de 24,18%, enquanto BRADESCO PN cedeu 0,07%, a 15,15 reais, e contabilizou uma perda de 11,29% em 2022.

(Por Paula Arend Laier)