Mercado fechará em 3 h 11 min
  • BOVESPA

    111.201,42
    +275,82 (+0,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.228,50
    -229,05 (-0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,77
    +0,55 (+0,68%)
     
  • OURO

    1.798,50
    -16,70 (-0,92%)
     
  • BTC-USD

    16.950,26
    -17,35 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,39
    +0,97 (+0,24%)
     
  • S&P500

    4.047,32
    -29,25 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    34.240,07
    -154,94 (-0,45%)
     
  • FTSE

    7.562,54
    +4,05 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.916,25
    -146,50 (-1,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4754
    +0,0100 (+0,18%)
     

Ibovespa recua na volta do feriado reagindo a sinais do Fed

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista retornava do feriado com viés negativo nesta quinta-feira, colocando a cena política brasileira um pouco de lado e reagindo a sinalizações do banco central norte-americano de que ainda existem incertezas sobre até onde a taxa de juros precisa subir para combater a inflação nos Estados Unidos.

Às 11:23, o Ibovespa caía 0,8 %, a 115.989,98 pontos, após duas altas seguidas, em boa parte refletindo ajustes ao movimento de ADRs brasileiros na véspera, quando não houve negociação na B3, e Wall Street reagiu com queda às indicações do Federal Reserve.

O volume financeiro nesta quinta-feira somava 7,6 bilhões de reais.

Na quarta-feira, o Fed elevou a taxa de juros em 0,75 ponto percentual, enquanto sinalizou que futuros aumentos podem ser menores para levar em conta o "aperto acumulado da política monetária" até agora. No entanto, o chair da instituição, Jerome Powell, alertou que "nenhuma decisão foi tomada".

Powell também afirmou que os juros podem acabar ficando acima do que as autoridades estimaram na reunião de setembro. A decisão anunciada na véspera deixou a taxa de juros em uma faixa entre 3,75% e 4,00%, a mais alta desde o início de 2008.

Estrategistas do BTG Pactual reiteraram a projeção para a taxa no intervalo de 4,25%-4,50% no final de 2022 (+0,5 p.p. em dezembro), mas elevaram a projeção para 2023 a 5,00%-5,25% (+0,5 p.p. em fevereiro e +0,25 p.p. em março), de acordo com relatório enviado a clientes

"O comunicado e a coletiva deixaram espaço para a redução do ritmo de alta de juros em dezembro, mas Powell reforçou que o comitê planeja deixar a taxa elevada por mais tempo e vê riscos em cortes prematuros", afirmaram.

Em Wall Street, nesta quinta-feira, o S&P 500 cedia 0,9%, em meio a uma série de dados econômicos.

No Brasil, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro que pregam o desrespeito ao resultado das eleições e uma intervenção militar no país, o que é ilegal, ainda realizavam na manhã desta quinta-feira 73 interdições e bloqueios em estradas de 7 Estados do país.

Em comentários a clientes antes da abertura, a equipe da XP Investimentos afirmou que, por ora, a avaliação é a de que as obstruções em rodovias promovidas por apoiadores de Bolsonaro não devem trazer maiores impactos econômicos, diferente do que ocorreu na greve dos caminhoneiros de 2018.

DESTAQUES

- AZUL PN caía 2,94%, a 15,84 reais, e GOL PN perdia 3,54%, a 9,55 reais, com as sinalizações do Fed endossando perspectivas de um dólar mais forte globalmente, bem como desaceleração da atividade econômica no mundo - esta última também por causa de aumentos de juros em outras regiões, como Reino Unido.

- BANCO PAN PN tinha declínio de 1,83%, a 7,5 reais, após reportar lucro quase estável no terceiro trimestre. Analistas do Safra consideraram o resultado fraco, uma vez que a margem financeira (NII) foi impactada pela baixa evolução da carteira na base trimestral, enquanto receitas com tarifas vieram fortes, ajudadas pela Mosaico.

- ENEVA ON recuava 4,46%, a 13,49 reais, afetada ainda pela notícia de renúncia do presidente, Pedro Zinner, para se dedicar a novos desafios profissionais. Ele contribuirá na transição e permanecerá no cargo até a data de seu desligamento, que ainda será definida junto ao conselho de administração, mas não será após 31 de março de 2023.

- PETROBRAS PN cedia 1,07%, a 29,54 reais, em sessão de queda dos preços do petróleo no mercado externo, enquanto agentes financeiros continuam avaliando os potenciais reflexos para a petrolífera de controle estatal com a troca do governo em 2023. Na véspera, o ADR da ação fechou com queda de cerca de 2% em Nova York, mas operava estável nesta quinta-feira.

- VALE ON caía 3,28%, a 66,9 reais, apesar da alta dos preços do minério de ferro na Ásia, com a contínua especulação de que a China aliviará suas rígidas regras contra a Covid-19 e esperança de que as medidas de estímulo chinesas compensem o impacto de uma retração econômica global na demanda. Na quarta-feira, o ADR da Vale recuou 4,9% em Nova York, mas subia nesta sessão.

- BANCO DO BRASIL ON subia 1,95%, a 38,64 reais, no segundo dia de recuperação após perdas relevantes na segunda-feira, quando reagiu ao desfecho das urnas no último domingo. No setor, ITAÚ UNIBANCO PN recuava 1,51% e BRADESCO PN cedia 1,72%. BTG PACTUAL UNIT valorizava-se 0,83%.

- IRB BRASIL ON avançava 5%, a 1,05 real, dando sequência à trajetória de recuperação após fechar na mínima histórica de 0,86 real na semana passada. Prejuízos mensais seguidos da resseguradora têm preocupado agentes financeiros de que o aumento de capital mais recente, em agosto, pode se mostrar insuficiente se a empresa não puder voltar aos trilhos.

(Por Paula Arend Laier)