Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.142,62
    +374,57 (+2,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Ibovespa recua na abertura após flertar com níveis pré-pandemia

·1 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista sinalizava uma sessão de ajustes nos primeiros negócios desta terça-feira, após o Ibovespa fechar próximo de níveis pré-pandemia na véspera, acompanhando movimentos de realização de lucros em pregões no exterior.

Às 10:24, o Ibovespa caía 0,21 por cento%, a 106.201,72 pontos.

Em Wall Street, os futuros do S&P 500 e do Dow Jones experimentavam uma pausa nesta terça-feira, um dia após atingirem máximas recordes de fechamento.

No Brasil, a cena corporativa também ocupa as atenções, com os balanços de Qualicorp e Notre Dame Intermédica, além de anúncio do Santander Brasil sobre cisão da subsidiária de adquirência Getnet.

Ainda sob os holofotes estão os detalhes do IPO da Rede D'Or São Luiz, que estabeleceu entre 48,91 e 64,35 reais a faixa estimativa para o preço por papel de sua oferta inicial, que pode movimentar até 12,655 bilhões de reais.

O Ibovespa fechou na véspera acima dos 106 mil pontos, o que não acontecia desde o começo de março, mês que marca o agravamento da crise desencadeada pela pandemia de Covid-19 no Brasil.

(Por Paula Arend Laier)