Mercado fechará em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    101.822,11
    +1.269,67 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.463,09
    -206,16 (-0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,71
    +0,68 (+1,70%)
     
  • OURO

    1.902,50
    -27,00 (-1,40%)
     
  • BTC-USD

    13.059,24
    +2.002,23 (+18,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,43
    +7,33 (+2,86%)
     
  • S&P500

    3.446,19
    +10,63 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    28.302,02
    +91,20 (+0,32%)
     
  • FTSE

    5.785,65
    +9,15 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.644,50
    -46,75 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5938
    -0,0562 (-0,85%)
     

Ibovespa recua em meio à cautela, após forte alta da véspera

Por Peter Frontini
·3 minutos de leitura
.
.

Por Peter Frontini

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa recuava na manhã desta sexta-feira, indicando uma sessão de ajustes após a forte alta da véspera, mas ainda no caminho para encerrar a semana em território positivo, com o quadro fiscal permanecendo no centro das atenções.

Às 11:30, o índice caía 0,6%, a 97.324,68 pontos. O volume financeiro era de 6,86 bilhões de reais.

Na última sessão, sem novos ruídos políticos no Brasil, o Ibovespa se apoiou no cenário exterior e avançou 2,5%. Mas com um final de semana prolongado, agenda doméstica fraca e o problema fiscal ainda no radar, a bolsa deve operar com cautela nesta sexta-feira, afirmaram analistas da Terra Investimentos.

Nesta manhã, o presidente Jair Bolsonaro reiterou que o auxílio emergencial não será pago para sempre e que, apesar do valor baixo para os beneficiários, é muito caro para a União, ao mesmo tempo que ressaltou que outras medidas tomadas pelo governo farão que o país volte em breve à normalidade. [L1N2H00LA]

Esta semana, o governo negou a intenção de estender o auxílio para os primeiros meses de 2021 e também de estender o orçamento de guerra para o próximo ano. Informações de que medidas nesse sentido estariam sendo analisadas abalaram o mercado.

As preocupações com as contas públicas também foram tema de declarações do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na noite de quinta, voltando a defender a regulamentação do teto de gastos, alertando que o país caminha para o precipício se o tema não for enfrentado.

Nos EUA, os índices de Wall Street estavam no caminho de seu segundo ganho semanal consecutivo em meio a esperanças de mais ajuda fiscal e expectativas crescentes de uma vitória democrata na eleição presidencial do mês que vem.

DESTAQUES

- MRV ON saltava 5,4%. A empresa anunciou na quinta-feira que suas vendas líquidas somaram o recorde de 1,97 bilhão de reais no terceiro trimestre, alta de 41% ante mesma etapa de 2019, reforçando a forte expansão do mercado imobiliário do país.

- GOL PN avançava 4,2%, após anunciar que voltou a ampliar oferta de assentos em outubro, após forte expansão de venda de bilhetes em setembro. Também afirmou que deverá encerrar o terceiro trimestre com prejuízo e que continuará queimando caixa ao longo do quarto trimestre. No setor, AZUL PN subia 1,5%.

- PETROBRAS PN e PETROBRAS ON perdiam 2,25% e 2,9%, respectivamente, corrigindo o forte movimento positivo da véspera, sustentando pela alta dos contratos futuros do petróleo.

- ITAÚ UNIBANCO PN recuava 1%, com o setor bancário também registrando sessão de ajustes. BRADESCO PN caía 0,8%, enquanto SANTANDER BR UNT desvalorizava-se 1%.

- TOTVS ON tinha oscilação positiva de 0,04%, após a Linx informar que vai analisar sua nova proposta para combinação dos negócios. Fora do Ibovespa, LINX ON subia 1,9%.

- IRB BRASIL ON caía 1,3%, após disparar mais de 20% na véspera, em semana extremamente volátil para papéis da resseguradora.