Mercado fechado

Ibovespa recua com tensão comercial EUA-China no foco

Ana Carolina Neira

Fala de presidente americano sobre não ter prazo para acordo com chineses tem impacto nos negócios O Ibovespa até tentou atuar em alta na manhã desta terça-feira, com investidores mais animados com o desempenho da economia brasileira no terceiro trimestre, mas o clima no cenário externo acaba pesando mais nesta jornada.

Isso acontece após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmar que não tem prazo para firmar qualquer tipo de acordo com a China e que isso pode, inclusive, ocorrer somente após as eleições americanas, que acontecem em novembro de 2020.

Bolsas de NY operam em forte queda após fala de Trump

Bolsas europeias caem com tensão comercial no radar

Com resultado do PIB, dólar cai abaixo de R$ 4,20

O endurecimento de seu discurso causou mal-estar geral nas bolsas ao redor do mundo, incluindo o Ibovespa, que caía 0,49% às 12h36 aos 108.399 pontos.

Regis Filho/Valor

"As falas recentes do Trump desanimam todos os mercados e por mais que haja um otimismo com Brasil, um exterior mais abalado naturalmente nos afeta, até porque o Ibovespa tem muitos papéis bastante ligados ao exterior", diz Victor Candido, gestor da Journey Capital.

Com a fala de Trump, são reforçados os argumentos de uma parte do mercado de que não existe intenção de resolução rápida para o conflito.

A observação do presidente americano foi feita um dia depois de anunciar a retomada de tarifas ao aço e ao alumínio de Brasil e Argentina e de ameaçar tarifar em até 100% um total de US$ 2,4 bilhões em importações francesas.