Mercado abrirá em 31 mins
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,32
    +0,68 (+1,49%)
     
  • OURO

    1.842,60
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    19.057,52
    -200,06 (-1,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,36
    -0,04 (-0,01%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.546,24
    +55,97 (+0,86%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.511,00
    +48,75 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2494
    +0,0134 (+0,21%)
     

Ibovespa recua com realização de lucros e fecha abaixo dos 107 mil pontos

Por Paula Arend Laier
·3 minuto de leitura
.
.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira, após renovar máximas desde março na véspera, em meio a movimentos de realização de lucros, endossados pela correção negativa nos pregões norte-americanos.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa recuou 1,05%, a 106.119,09 pontos. O volume financeiro somou 37,5 bilhões de reais, em sessão também marcada pelo vencimento de opções sobre o Ibovespa.

Na véspera, o Ibovespa, referência do mercado acionário brasileiro, subiu a 107.248,63 pontos, maior patamar de fechamento desde o início de março, algumas semanas antes das decretações de quarentena no país.

De acordo com análise gráfica de Fernando Góes, da Clear Corretora, o Ibovespa teve o movimento de alta e rompeu os 105/106 mil pontos. "Como o movimento foi bastante forte, é normal que aconteçam algumas realizações", afirmou.

Ele acrescentou que, segundo indicadores técnicos, o índice está em uma forte tendência de alta, e que, apesar de eventuais ajustes no horizonte, é importante não perder o suporte de 102/103 mil pontos ou até mesmo os 100 mil pontos.

No exterior, novas informações favoráveis sobre vacina apoiaram o apetite a risco mais cedo, mas o fôlego foi perdendo força. Wall Street, que renovou recordes para o S&P 500 e o Dow Jones nesta semana, terminou no vermelho.

A Pfizer comunicou nesta quarta-feira que os resultados finais do teste de estágio avançado de sua vacina para Covid-19 mostram que ela é 95% eficaz, acrescentando ter os dados de segurança exigidos referentes a dois meses.

A farmacêutica reiterou que espera produzir até 50 milhões de doses de vacinas este ano, o suficiente para proteger 25 milhões de pessoas, e até 1,3 bilhão de doses em 2021.

De acordo com analistas, o mercado continua contrabalançando o noticiário mais positivo sobre uma vacina contra o Covid-19, que alimenta otimismo quanto à recuperação das economias, com o avanço de casos, principalmente nos EUA e Europa.

A quarta-feira teve também comunicado da Fitch Ratings reafirmando a nota de crédito soberano "BB-" para o Brasil, com perspectiva negativa, e chamando atenção para os riscos fiscais do país.

Ainda no Brasil, a B3 anunciou que a partir de 2022 haverá pregão de negociação e liquidação regular na bolsa de valores em feriados municipais da cidade de São Paulo. Em 2021, nada muda, segundo calendário divulgado.

DESTAQUES

- AMBEV ON caiu 4,01%, entre as maiores perdas, refletindo realização de lucros. Ainda assim, no mês, ainda acumula elevação de quase 22%.

- BRADESCO PN caiu 3,07%, também sofrendo com após recuperação em novembro. ITAÚ UNIBANCO PN perdeu 2,44%. No mês, ainda contabilizam elevação ao redor de 22% cada.

- VALE ON recuou 0,78%, após renovar máximas históricas na véspera. Uma audiência entre representantes do governo e da mineradora sobre reparações pelo desastre de Brumadinho (MG) em 2019 na terça-feira não chegou a consenso. Uma nova reunião foi marcada para 9 de dezembro.

- MULTIPLAN ON cedeu 4,2%, com o setor de shopping centers, que também acumula ganhos em novembro, passando por uma correção como um todo. IGUATEMI ON recuou 4,31% e BRMALLS ON fechou em baixa de 2,15%.

- PETROBRAS PN caiu 0,59%, apesar da alta dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent subiu 1,4%, apoiado por expectativas de que a Opep e aliados adiem um plano para aumento de produção da commodity, além das esperanças associadas a uma vacina contra o coronavírus.

- BRF ON avançou 3,09%, em sessão de alta do setor de alimentos e proteínas na bolsa paulista, com JBS ON valorizando-se 2,03%, MARFRIG ON subindo 2,42% e MINERVA ON terminando em alta de 3,57%.

- COGNA ON avançou 5,34% e YDUQS ON subiu 5,32%, entre as maiores altas.

- GOL PN valorizou-se 3,10%, tendo no radar que a autoridade de aviação civil dos EUA autorizou a retomada dos voos do Boeing 737 Max, usados pela companhia, embora a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ainda não tenha autorizado a volta das operações com o modelo no Brasil. No setor, AZUL PN subiu 4,41%.