Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,38
    -0,07 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.717,40
    -3,40 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    19.986,13
    -407,68 (-2,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,44
    -8,69 (-1,88%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.857,96
    -154,19 (-0,86%)
     
  • NIKKEI

    27.176,38
    -134,92 (-0,49%)
     
  • NASDAQ

    11.536,25
    -5,50 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1177
    +0,0042 (+0,08%)
     

Ibovespa recua com preocupações sobre economia dos EUA; Natura&Co desaba 10%

Bolsa de Valores B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista engatava mais uma sessão negativa nesta sexta-feira, acompanhando Wall Street, com agentes financeiros ainda aflitos com os riscos à economia dos Estados Unidos de um ciclo mais forte de alta de juros pelo Federal Reserve.

Às 11:39, o Ibovespa caía 0,83 %, a 109.037,71 pontos, no quarto pregão seguido de baixa, contabilizando uma perda de 2,88% na semana até o momento. O volume financeiro somava 8,3 bilhões de reais, em sessão também marcada pelo vencimento de opções sobre ações.

Em Nova York, o S&P 500 recuava cerca de 0,9%.

De acordo com a equipe da Avenue, em nota a clientes, investidores temem que o banco central norte-americano seja ainda mais agressivo no aumento dos juros para combater a inflação, elevando a chance de uma recessão na economia dos EUA.

O Fed reúne-se na próxima semana para decidir sobre o juro, e a expectativa majoritária é de uma alta de 0,75 ponto percentual, embora dados de inflação recentes tenham alimentado apostas de uma elevação de 1 ponto.

Economistas do Bradesco afirmaram esperar uma alta de 0,75 ponto, a terceira consecutiva dessa magnitude, mas ponderaram que "há um receio nos mercados de que o Fed possa adotar um tom ainda mais duro", conforme nota a clientes.

Além da decisão em si, agentes financeiros também estarão atentos aos sinais sobre os próximos movimentos da autoridade monetária comandada por Jerome Powell, uma vez que não há consenso sobre o tamanho e duração do ciclo de alta dos juros.

DESTAQUES

- NATURA&CO ON despencava 10,29%, a 14,99 reais, após a fabricante de cosméticos afirmar que não conduz qualquer estudo para uma possível cisão da unidade Aesop ou venda da The Body Shop, na esteira de especulações recentes de uma reestruturação que poderia desencadear tais mudanças.

- VALE ON tinha variação negativa de 0,1%, a 68,28 reais, tendo de pano de fundo declínio nos preços dos contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian, na China, e Cingapura, após dados mostraram que o setor imobiliário chinês contraiu ainda mais em agosto.

- PETROBRAS PN caía 0,97%, a 30,76 reais, apesar do sinal positivo dos preços do petróleo no exterior, com o Brent em alta de 1,39%. No radar, estavam notícias de que o presidente-executivo da companhia, Caio Paes de Andrade, foi diagnosticado com câncer.

- ITAÚ UNIBANCO PN exibia alta de 0,11%, a 26,8 reais, enquanto BRADESCO PN recuava 1,04%, a 19,06 reais.

- NUBANK BDR caía 5,67%, a 4,49 reais, após decisão do Nubank Holdings de descontinuar seu programa de BDRs Nível III na B3, concentrando a negociação de seus papéis na Bolsa de Nova York. Para analistas do Itaú BBA, o anúncio é negativo para acionistas minoritários. Em Nova York, o Nubank perdia 6,72%, a 5,14 dólares

- GOL PN mostrava queda de 1,96%, a 10 reais. A companhia aérea fechou um acordo para pagar mais de 41 milhões de dólares no âmbito de investigações paralelas de suborno por autoridades criminais e civis nos Estados Unidos e no Brasil. No setor, AZUL PN perdia 2,28%.

- BB SEGURIDADE ON valorizava-se 2,12%, a 28,93 reais, ampliando a alta da quinta-feira e revertendo a perda da semana. Na véspera, analistas do Citi revisaram projeções para a companhia e elevaram o preço-alvo de 28 para 33 reais, reiterando recomendação de 'compra'.

- ENGIE BRASIL ON avançava 0,71%, a 39,57 reais, após a empresa de energia assinar contrato para vender a usina termelétrica a carvão Pampa Sul, no Rio Grande do Sul, citando que o benefício econômico da operação será de cerca de 2,2 bilhões de reais.