Mercado fechará em 1 h 21 min
  • BOVESPA

    95.716,52
    +347,77 (+0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.910,36
    -483,35 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,22
    -1,17 (-3,13%)
     
  • OURO

    1.867,90
    -11,30 (-0,60%)
     
  • BTC-USD

    13.550,61
    +395,24 (+3,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    266,05
    +23,37 (+9,63%)
     
  • S&P500

    3.309,68
    +38,65 (+1,18%)
     
  • DOW JONES

    26.663,79
    +143,84 (+0,54%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.362,25
    +229,50 (+2,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7249
    -0,0095 (-0,14%)
     

Ibovespa recua com preocupações sobre retomada de economias

Por Paula Arend Laier
·2 minutos de leitura
.
.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O tom negativo prevalecia na bolsa paulista nesta quinta-feira, com o aumento de casos de Covid-19 na Europa e novas medidas restritivas combinados com sinais pouco animadores sobre novos estímulos fiscais nos Estados Unidos no curto prazo renovando apreensões sobre a recuperação das economias.

A agenda brasileira corroborava as vendas. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), cresceu 1,06% em agosto na comparação com julho, de acordo com dado dessazonalizado, mas ficou abaixo das expectativas, de alta de 1,60%.

Às 11:18, o Ibovespa caía 0,91 %, a 98.428,86 pontos. A queda vem após dois pregões de alta, em que acumulou elevação de 1,9%. O volume financeiro era de 5,5 bilhões de reais.

Na visão da Guide Investimentos, os mercados refletem a piora do quadro sanitário na Europa e reinstalação de medidas restritivas. "No pano de fundo, resultados corporativos mistos, ausência de suporte fiscal nos EUA e anseios quanto ao Brexit produzem volatilidade adicional", acrescentou.

Em Wall Street, o S&P 500 recuava 0,8%, com um salto inesperado nos pedidos semanais de auxílio-desemprego exacerbando os temores de uma recuperação econômica estagnada, um dia após o secretário do Tesouro do país esfriar esperanças de mais estímulo fiscal antes da eleição.

Para o chefe de pesquisa de estratégia em ações do Julius Baer, Patrik Lang, apesar do aumento significativo de novas infecções, novos bloqueios em grande escala ainda são improváveis e medidas direcionadas em combinação com normas comportamentais devem ser suficientes para conter o vírus.

"Esperamos que a recuperação econômica global continue e seguimos positivos em relação a ações", acrescentou.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN e PETROBRAS ON recuavam 2,25 e 2,4%, respectivamente, acompanhando o forte declínio dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent caía 2,6%, a 42,21 dólares o barril. PETRORIO ON cedia 5,24%.

- VALE ON perdia 1,05%, contaminada pelas preocupações com o crescimento. No setor de mineração e siderurgia, CSN subia 1,68% antes do balanço, previsto para após o fechamento do mercado.

- B3 ON recuava 2%, entre as maiores perdas, após forte alta na véspera. Ainda no setor financeiro, ITAÚ UNIBANCO PN caía 0,8% e BRADESCO PN cedia 0,62%, também afetados pelo viés mais vendedor.

- JBS ON avançava 5,63%, ainda apoiada por acordo de sua controladora com a justiça norte-americana, que ajuda a abrir caminho para os planos da JBS em abrir capital de suas operações internacionais nos Estados Unidos.

- MAGAZINE LUIZA ON retomava o viés positivo e subia 0,59%, após figurar entre as maiores perdas na véspera. B2W ON valorizava-se 0,86%, enquanto VIA VAREJO ON mostrava queda de 0,26%.