Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.959,86
    +27,80 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Ibovespa recua com novo tombo de Americanas e fraqueza em commodities

B3 em São Paulo

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa recuava mais de 1% nesta segunda-feira, com Americanas voltando a despencar após conseguir proteção contra credores, em decisão que inclui prazo de 30 dias para pedir recuperação judicial, tendo como pano de fundo um ambiente externo também menos favorável a ativos de risco.

Às 12:16, o Ibovespa caía 1,42 %, a 109.343,06 pontos. O volume financeiro somava 6 bilhões de reais, afetado pela ausência de negócios nas bolsas norte-americanas em razão de feriado nos Estados Unidos.

Na visão da equipe da corretora Commcor, com feriado de Martin Luther King nos EUA, a semana começa com as atenções novamente voltadas à situação da Americanas e aos desdobramentos do pacote fiscal anunciado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na semana passada.

Em relação à Americanas, a Commcor avalia que o mercado pode ficar ainda mais avesso ao papel após liminar suspendendo vencimentos antecipados, "uma saída delicada, mas que visa proteger a empresa". "Naturalmente, credores já começam a expor o desconforto com a situação", afirmou em nota a clientes.

Quanto às medidas econômicas, a corretora mencionou que investidores receberam com desconfiança as projeções de Haddad e que uma série de questões envolvendo o tema ainda não permite "apostar na animadora intenção do novo ministro".

Análise técnica da equipe do Itaú BBA disse que o Ibovespa abriu espaço para um movimento de realização de lucros no último pregão e encontrará próximos suportes em 108.100 e 106.700 pontos. "Do lado da alta, o grande desafio da semana será superar a região dos 113.800", afirmaram Fábio Perina e equipe.

DESTAQUES

- AMERICANAS ON desabava 39,05%, para 1,92 real, renovando mínima histórica intradia a 1,85 real, enquanto agentes financeiros avaliam desdobramentos das inconsistências contábeis de 20 bilhões de reais, com a empresa conseguindo liminar de proteção contra credores na última sexta-feira. Na quarta-feira passada, antes do anúncio sobre os problemas fiscais, com renúncia do recém-empossado presidente-executivo, os papéis da Americanas valiam 12 reais. No setor, MAGAZINE LUIZA ON disparava 10,2%, VIA ON saltava 13,5% e MERCADO LIVRE avançava 5,7%.

- BTG PACTUAL UNIT recuava 3,51%, a 21,43 reais, em meio a receios sobre a exposição do banco de investimentos às dívidas da Americanas. No fim de semana, o BTG recorreu da liminar que protege a varejista de credores. Analistas vinham chamando a atenção para a exposição do banco e de outras instituições financeiras à companhia. No setor, ITAÚ UNIBANCO PN caía 0,85% e BRADESCO PN perdia 2,27%.

- AMBEV ON mostrava declínio de 3,1%, a 13,45 reais, contaminada pelo caso Americanas. Os acionistas de referência da varejista também controlam a fabricante de bebidas. O Morgan Stanley reforçou recomendação 'underweight' para os papéis da Ambev, com preço-alvo de 12 reais (de 12,50 reais antes), esperando números fracos para o quarto trimestre, mas também enxergando riscos para o resultado por razões como os ambientes macroecômico e concorrencial no Brasil.

- C&A ON disparava 16,05%, a 2,82 reais, chegando a 3,13 reais no melhor momento, após o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, publicar que a Lojas Renner tem negociações preliminares para a compra da C&A no Brasil. Procuradas pela Reuters, a Lojas Renner não comentou de imediato e a C&A disse que "não comenta rumores ou especulações de mercado". LOJAS RENNER ON cedia 0,99%, a 19,940 reais.

- EMBRAER ON subia 2,73%, a 16,18 reais, após divulgar que recebeu pedido firme para 15 novos aviões E195-E2, avaliado em 1,17 bilhão de dólares a preço de lista. A fabricante de aeronaves não divulgou o comprador, e afirmou que o pedido será adicionado à carteira do quarto trimestre de 2022.

- VALE ON caía 2,47%, a 91,5 reais, na esteira do recuo dos preços futuros de minério de ferro na Ásia, com relatos de aumento nas mortes por Covid-19 na China renovando as preocupações com a demanda. O contrato de minério de ferro mais negociado na Dalian Commodity Exchange encerrou as negociações diurnas com queda de 4,3%. Na Bolsa de Cingapura, o minério de ferro de referência de fevereiro recuou 4,4%.

- PETROBRAS PN perdia 1,91%, a 24,1 reais, em dia de queda dos preços do petróleo no exterior, com o Brent cedendo 1%.

- BR PROPERTIES ON avançava 3,95%, a 6,31reais. A GP Investments comunicou na madrugada de sábado acordo com a THB que inclui uma oferta pública de ações (OPA) para comprar 100% do capital da BR Properties ao preço de 1,60 real por papel.

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

(Por Paula Arend Laier; Edição Aluísio Alves)