Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    22.906,24
    -552,72 (-2,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Ibovespa recua com efeito Americanas e expectativa por anúncio econômico de Haddad

Sede da B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O tom negativo prevalecia na bolsa paulista nesta quinta-feira, com as atenções voltadas para as ações da Americanas após "inconsistências" contábeis da ordem de 20 bilhões de reais no balanço da companhia, que levou à renúncia do presidente-executivo e do diretor financeiro na véspera.

No penúltimo pregão da semana, agentes financeiros ainda repercutiam dados de inflação ao consumidor nos Estados Unidos enquanto aguardam a divulgação de medidas econômicas pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Às 12:40, o Ibovespa caía 0,64%, a 111.799,88 pontos, após seis altas seguidas, período em que acumulou elevação de 8%. O volume financeiro somava 9,15 bilhões de reais.

De acordo com análise gráfica da Ágora Investimentos, o Ibovespa seguiu avançando na última sessão, quebrando a primeira resistência aos 111.100 e forçando a linha dos 112.500 pontos.

"Acima deste último ponto, o índice passaria a mirar nos 115.700, nível que poderia motivar uma correção por ser o objetivo após a quebra do antigo canal de baixa no final do ano passado. Do lado inferior, um retorno abaixo dos 111.100 poderia motivar um 'pullback' até o suporte dos 108.000 pontos."

Em Wall Street, o S&P 500 subia 0,2%, após novas evidências de arrefecimento da inflação impulsionarem as apostas de que o Federal Reserve irá diminuir o ritmo de suas futuras altas de juros. Amplamente aguardado, o índice de preços ao consumidor nos EUA caiu 0,1% em dezembro.

"O número mostrou a primeira contração desde maio de 2020 e surpreendeu vindo abaixo do esperado o que nesse caso é uma boa notícia", afirmou o estrategista-chefe da Avenue Securities, William Castro Alves.

"Mas o declínio foi de certa forma tímido e muito derivado da queda dos preços de gasolina", afirmou em comentário a clientes, também chamando a atenção para o núcleo da inflação crescendo em linha com o esperado, "sem maior margem para otimismo na luta com a inflação".

De acordo com Alves, as apostas do mercado seguem sendo de um aumento de 0,25 ponto percentual na próxima reunião, em 1 de fevereiro.

No Brasil, além do noticiário sobre a Americanas, as atenções estão voltadas para o anúncio de Haddad, às 14h30, no Palácio do Planalto, sobre medidas econômicas, seguido de entrevista à imprensa. O evento deve contar com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"O mercado deve aguardar anúncio e é importante monitorar qual será decisão sobre impostos de gasolina - ou combustíveis no geral - para inflação', ressaltou a Tullett Prebon Brasil, avaliando negativamente os sinais sobre o pacote de ajuste fiscal, dado o foco quase total em receitas.

"Além de não endereçar o problema macroeconômico de gastos, tem potencial redutor de crescimento - revertendo esforços de queda de tributos de empresas", afirmou em nota a clientes.

DESTAQUES

- AMERICANAS ON desabava 90%, a 1,2 real no leilão de abertura, previsto para até às 13h, após a descoberta preliminar de cerca de 20 bilhões de reais em "inconsistências" contábeis no balanço da companhia relativas a transações com bancos e fornecedores. Vários analistas colocaram a recomendação para os papéis sob revisão. Na esteira do anúncio, VIA ON tombava 8,46% e MAGAZINE LUIZA ON caía 3,63%, em meio a receios de investidores de que os problemas na classificação dessas operações possam ocorrer em outros grupos.

- BTG PACTUAL UNIT recuava 4,49%, a 22,75 reais, em sessão com o setor sob pressão, com agentes financeiros também buscando entender os riscos para os bancos do escândalo contábil envolvendo a Americanas. O Bradesco BBI disse que o pior cenário seria os bancos credores terem que dar baixa em dívidas que somam 20 bilhões de reais. SANTANDER BRASIL UNIT caía 2,83%, ITAÚ UNIBANCO PN perdia -2,01%, BRADESCO PN cedia 1,95% e BANCO DO BRASIL ON mostrava declínio de 0,87%.

- CCR ON avançava 3,87%, a 11,8 reais, no terceiro pregão seguido de valorização, com a alta em 2023 já superando 8%. No setor, ECORODOVIAS ON caía 1,44%.

- 3R PETROLEUM ON subia 2,39%, a 45,47 reais, novamente na ponta positiva do Ibovespa, mesmo depois de saltar mais de 13% na véspera, na esteira de dados de produção e recomendação positiva para as ações por analistas do JPMorgan. A alta do petróleo no exterior corroborava o movimento, com outras do setor também em alta. PRIO ON tinha elevação de 0,72% e PETROBRAS PN registrava acréscimo de 0,29%.

- VALE ON mostrava variação positiva de 0,33%, a 93,56 reais. Os contratos futuros de minério de ferro subiram pela terceira sessão consecutiva nesta quinta-feira, com o índice de referência de Cingapura escalando um novo pico de seis meses, sustentado pelo otimismo contínuo quanto às perspectivas de demanda na China, maior produtora mundial de aço.