Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,59 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,65 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,81
    +0,05 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.821,00
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    20.384,21
    -500,45 (-2,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    441,05
    -9,01 (-2,00%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,31 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,47 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,17 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.690,50
    +16,25 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5435
    -0,0006 (-0,01%)
     

Ibovespa recua 3% e vai abaixo de 100 mil pontos com temor sobre recessão

B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa recuava fortemente nesta sexta-feira, perdendo o patamar dos 100 mil pontos pela primeira vez desde novembro de 2020, sem alívio nas preocupações com os efeitos de medidas de políticas monetária na atividade econômica mundial.

Às 11:16, o Ibovespa caía 3,2%, a 99.521,37 pontos, menor patamar intradia desde 5 de novembro de 2020. O volume financeiro somava 7 bilhões de reais.

Parte das vendas na bolsa brasileira refletia ajustes a fortes perdas em Wall Street na véspera, quando não houve negociação no mercado acionário brasileiro pelo feriado de Corpus Christi. [nL1N2Y32NT]

Na quarta-feira, o Ibovespa chegou a experimentar uma trégua e fechou em alta, após uma sequência de oito sessões de queda, na maior série negativa desde 2015.

"Os mercados de ações globais permanecem altamente voláteis devido ao aperto monetário sinalizado pelos principais bancos centrais", afirmou a equipe da XP Investimentos, em relatório a clientes nesta sexta-feira.

"Com muitos bancos centrais aumentando as taxas tempestivamente, a maioria dos participantes do mercado prevê uma recessão global em algum momento nos próximos 12 meses."

Nem a melhora das bolsas norte-americanas nesta sessão era suficiente para atenuar as vendas na B3. Após fechar em baixa de mais de 3% na véspera, o S&P 500 subia 0,5% na manhã desta sexta-feira.

"No ambiente atual, sem uma desaceleração da inflação, deveremos conviver com uma desaceleração ao mesmo tempo em que a inflação está elevada e a política monetária não pode ser usada como um 'seguro' ou um 'suporte' à economia e aos mercados", avalia o diretor de investimentos da TAG, Dan Kawa.

"O mercado está saindo da narrativa 'pura' da inflação e precificando uma recessão de maneira mais aguda", acrescentou em comentário a clientes.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN caía 5%, na esteira do forte declínio do petróleo no exterior, mesmo após anunciar aumentos dos preços médios de venda da gasolina em mais de 5% e do diesel em mais de 14%, valendo a partir de sábado

- VALE ON perdia 4,5%, conforme os preços do minério de ferro estenderam as perdas para uma sexta sessão na bolsa de Dalian nesta sexta-feira, marcando a queda semanal mais acentuada em quatro meses.

- ITAÚ UNIBANCO PN apurava queda de 1,9% e BRADESCO PN tinha baixa de 1,55%, contaminados pelo viés mais vendedor na bolsa como um todo.

- GOL PN e AZUL PN recuavam 6,2% e 5,9%, respectivamente, tendo de pano de fundo a forte alta do dólar ante o real nesta sexta-feira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos