Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,20
    -1,30 (-2,11%)
     
  • OURO

    1.723,10
    -5,70 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    49.257,57
    +3.880,16 (+8,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    986,56
    +58,32 (+6,28%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.588,53
    +105,10 (+1,62%)
     
  • HANG SENG

    29.452,57
    +472,36 (+1,63%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.314,00
    +403,00 (+3,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7946
    +0,0363 (+0,54%)
     

Ibovespa tem leve queda, mas fecha semana com valorização

Por Peter Frontini e Alusio Alves

Por Peter Frontini e Alusio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice acionário brasileiro teve leve queda nesta sexta-feira, no fim de sessão volátil marcada pelo viés externo negativo, com a guerra comercial no centro das atenções, e em meio à bateria de resultados trimestrais, incluindo BRF e B2W.

O Ibovespa caiu 0,11%, a 103.996,16 pontos. Na semana, o índice acumulou alta de 1,29% O volume financeiro da sessão somou 17,1 bilhões de reais.

Pela manhã, o presidente norte-americano, Donald Trump, disse que os EUA continuam com as negociações comerciais com a China, mas não vão fechar um acordo por enquanto.

Eduardo Guimarães, especialista em ações da Levante Investimentos, atribuiu a tendência negativa a um aumento global na aversão ao risco, diante do impasse nas negociações.

Em Wall Street, o S&P 500 cedeu 0,66%, em sessão também afetada pela turbulência política na Itália e a inesperada contração na economia no Reino Unido.

No front doméstico, a divulgação de balanços de empresas que compõem o índice também afetou a movimentação da sessão, com MRV e Suzano em tendência negativa, enquanto BRF e B2W avançaram.

DESTAQUES

- QUALICORP disparou 36,6%, após o grupo hospitalar Rede D'Or São Luiz assinar contrato na quinta-feira para comprar cerca de 10% das ações da empresa.

- B2W saltou 17,75%, em meio à alta de 21,8% no GMV consolidado do segundo trimestre, com aumento da participação do marketplace, em resultado que mostrou crescimento de margens e geração de caixa. Executivos da companhia citaram que a carteira digital Ame vai virar empresa até o final de agosto e que pedirá ao Banco Central licenças de serviços financeiros

- BRF avançou 5,07%, após a dona das marcas Sadia e Perdigão reportar lucro no segundo trimestre, contrariando previsões do mercado e quebrando série de prejuízos. Executivos da companhia afirmaram que a empresa vai reabrir fábrica em Carambeí (PR) antes do planejado, diante de um melhor ambiente operacional

- CVC ganhou 9,27%, após balanço do segundo trimestre, com lucro de 41 milhões de reais.

- VALE cedeu 3,58%, com os contratos futuros do minério de ferro na China tendo a maior queda semanal em mais de 16 meses e caindo pelo sétimo dia consecutivo.

- B3 caiu 0,38%, conforme a operadora brasileira de infraestrutura de mercado financeiro e da bolsa de valores de São Paulo teve lucro líquido atribuído aos acionistas de 654,8 milhões de reais de abril a junho, queda de 9,6%.

- PETROBRAS PN recuou 0,27%, mesmo com a alta dos preços do petróleo, na esteira da queda nos estoques europeus da commodity e estimativa de corte na produção da Opep.

- ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN cederam 0,76% e 1,65%, respectivamente.

- MRV perdeu 6,14%, mesmo após reportar crescimento de cerca de 15% no lucro líquido do segundo trimestre sobre um ano antes, apoiado em expansão da receita e custos controlados.