Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.882,20
    -1.831,25 (-1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.904,00
    -294,94 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,70
    +1,33 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.987,00
    -10,70 (-0,54%)
     
  • Bitcoin USD

    28.458,26
    +293,71 (+1,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    621,79
    +7,58 (+1,23%)
     
  • S&P500

    4.109,31
    +58,48 (+1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.274,15
    +415,12 (+1,26%)
     
  • FTSE

    7.631,74
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    20.400,11
    +90,98 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.041,48
    +258,55 (+0,93%)
     
  • NASDAQ

    13.308,00
    +226,00 (+1,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4892
    -0,0664 (-1,20%)
     

Ibovespa recua 1% apesar de dividendo robusto da Petrobras; EDP Brasil dispara

Sede da B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em queda nesta quinta-feira, marcada pela repercussão dos resultados e dividendos anunciados pela Petrobras, enquanto EDP Brasil disparou após plano envolvendo o fechamento de capital.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 1,01%, a 103.325,61 pontos, com bancos também entre as maiores pressões de baixa. O volume financeiro somou 25,9 bilhões de reais.

Na visão do estrategista e sócio na Laic Asset Management, Vitor Carvalho, o pregão também foi afetado pela abertura da curva de juros, sobretudo a alta nos prazos mais longos, o que pesou em ações ligados a consumo doméstico, varejo e construção.

Ele também chamou a atenção para o volume baixo na sessão, embora parecido com a média do ano, "que mostra que o investidor tradicional de renda variável ainda está avesso a risco".

Entre os componentes para tal sentimento, estão perspectivas de juros mais altos por mais tempo nos Estados Unidos, mas também preocupações com questões domésticas, notadamente o cenário fiscal do país.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que os trabalhos de sua pasta relacionados ao novo arcabouço fiscal devem ser concluídos esta semana.

"Embora a temperatura política tenha diminuído..., há ainda um nível elevado de incerteza quanto à trajetória de crescimento e as reações de política econômica decorrentes disso – sobretudo com custo fiscal", observaram estrategistas do BTG Pactual.

Além disso, acrescentaram em relatório enviado a clientes nesta quinta-feira, a inflação segue em patamar elevado e não deve convergir para as metas em todo horizonte relevante, dificultando um ciclo de cortes mais intenso em 2024.

A pauta macroeconômica brasileira ainda mostrou que o Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 0,2% no quarto trimestre de 2022 sobre o trimestre imediatamente anterior, embora tenha acumulado no ano uma alta de 2,9%.

Em Wall Street, os principais índices acionários fecharam no azul, após uma abertura mais negativa, à medida que seguem os ajustes de apostas relacionadas ao Federal Reserve.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN recuou 2,61%, a 24,64 reais, apesar de resultado recorde em 2022 e anúncio de dividendos robustos, uma vez que persistem incertezas relacionadas aos próximos passos da petrolífera estatal, após a troca de governo no Brasil. O presidente da empresa, Jean Paul Prates, afirmou que a Petrobras terá ainda robustez no pagamento de dividendos aos seus acionistas em 2023, mas que os desafios a serem enfrentados serão ainda maiores. Prates também disse que o governo pode recomendar suspensão definitiva de venda de alguns ativos da companhia.

- EDP BRASIL ON disparou 14,72%, a 22,52 reais, após o grupo português de energia EDP anunciar mais cedo um plano para fechar capital da subsidiária brasileira, oferecendo 24,00 reais por ação, equivalente a um prêmio de 22,26% sobre o preço de fechamento do papel na véspera. Na máxima, a ação chegou a 23,42 reais.

- PRIO ON subiu 1,74%, a 33,96 reais, após divulgar lucro líquido de 189,8 milhões de dólares no quarto trimestre, alta de 19% ano a ano. A empresa também informou que registrou produção inicial estabilizada em seu novo poço MUP5, no campo de Frade, de aproximadamente 8 mil barris de óleo por dia, volume superior às suas previsões iniciais. No setor, 3R PETROLEUM ON terminou com queda de 4,02%.

- AMBEV ON caiu 2,52%, a 13,13 reais, mesmo após a maior cervejaria da América Latina reportar lucro líquido de cerca de 5 bilhões de reais no quarto trimestre de 2022, alta de 35,7% na comparação com o mesmo período do ano anterior, impulsionado por crescimento de volumes vendidos no Brasil enquanto em outras regiões a empresa amargou recuo. A Ambev também projetou alta menor de custos em 2023. Em conferência sobre o resultado, o diretor financeiro da Ambev minimizou receios sobre risco sacado e disse que a empresa segue focada em conseguir superar desempenho que obteve no Brasil em 2022.

- VALE ON reverteu a alta e recuou 0,22%, a 89 reais. Os contratos futuros de minério de ferro na bolsa de Dalian avançaram nesta quinta-feira, à medida que a confiança do mercado melhorou após a retirada das restrições de produção nas principais cidades siderúrgicas e com dados de fabricação melhores do que o esperado na China.

- BANCO DO BRASIL ON recuou 4,03%, a 37,43 reais, em mais uma sessão negativa para os grandes bancos, com ITAÚ UNIBANCO PN perdendo 3,28% e BRADESCO PN cedendo 1,34%.

- QUALICORP ON fechou em baixa de 5,13%, a 4,44 reais, no pior desempenho do setor de saúde do Ibovespa, com HAPVIDA ON caindo 3,31% e REDE D'OR ON apurando declínio de 3,9%.