Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,59 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,76 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,19
    -0,36 (-0,81%)
     
  • OURO

    1.815,20
    -3,70 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    18.788,39
    -61,99 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    369,10
    -10,76 (-2,83%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,28 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.791,86
    +4,32 (+0,02%)
     
  • NASDAQ

    12.432,25
    -20,00 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3038
    -0,0032 (-0,05%)
     

Índice reage e fecha semana no azul, mas sem voltar aos 105 mil pontos

Por Paula Arend Laier
·3 minuto de leitura
.
.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa engatou o segundo ganho semanal seguido, fechando a sexta-feira em alta de mais de 2%, ampliando a recuperação em novembro, em meio a noticiário mais favorável sobre uma vacina contra Covid-19, embora o aumento de casos nos Estados Unidos e Europa e potenciais novas restrições continuem preocupando.

Uma rotação de setores e o fluxo positivo de capital externo no mercado brasileiro, alinhados a outros emergentes, ditaram ajustes positivos em muitos papéis, em realização de lucros em outros, numa semana carregada de resultados corporativos.

Só na segunda-feira, quando os mercados reagiam a vitória do democrata Joe Biden para a presidência dos Estados Unidos e o anúncio da Pfizer de resultados promissores para a vacina contra a Covid-19 que está desenvolvendo com a BioNTech, houve entrada líquida de estrangeiros de 4,5 bilhões de reais na Bovespa.

Apesar da recuperação, o Ibovespa não conseguiu se sustentar acima dos 105 mil pontos registrados no meio da semana, uma vez que muitos aproveitaram para embolsar lucros dado o cenário brasileiro ainda preocupante do ponto de vista fiscal, além das incertezas quanto à pandemia na Europa e EUA.

O analista Milan Cutkovic, da Axi, disse que os eventos da semana tiveram um impacto significativo no sentimento do mercado e podem abrir caminho para ganhos adicionais no final do ano. Mas ponderou que há muitos avaliando se o rali não foi longe demais, dado que ainda há questões sem resposta sobre a vacina.

Nesta sexta-feira, Ibovespa subiu 2,16%, a 104.723,00 pontos, com o aumento de 3,76% na semana e de 11,46% mês. No ano, o declínio ainda é de 9,45%.

Maiores baixas do Ibovespa no dia

Maiores altas do Ibovespa no dia

O índice Small Caps avançou 3,32%, a 2.497,01 pontos, com acréscimo de 1,47% na semana e de 10,95% no mês, enquanto apura baixa de 12,11% no acumulado de 2020.

O volume negociado no pregão nesta sexta-feira somou 30 bilhões de reais.

DESTAQUES DO IBOVESPA DO ACUMULADO DO MÊS:

- AZUL PN sobe 28,6% em novembro, em meio ao sentimento mais positivo relacionado ao desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus, o que ajudou também GOL PN a mostrar elevação de 24,67% no período. No ano, porém, ambas recuam 50,24% e 46,85%, respectivamente.

- ULTRAPAR ON valoriza-se 26,07%, dando continuidade aos ganhos desde o balanço do terceiro trimestre, quando o grupo multissetorial teve resultados acima das previsões de analistas, se beneficiando da gradual retomada da economia brasileira dos efeitos da pandemia de coronavírus.

- CSN ON perde 6,09%, entre as poucas quedas acumuladas no mês, com o setor de mineração e siderurgia como um todo com performance mais fraca do que o Ibovespa, na esteira de realização de lucros. GERDAU PN recua 3,52%.

Veja o comportamento dos principais índices setoriais na B3 no acumulado do mês:

- Índice financeiro: +14,77%

- Índice de consumo: +10,63%

- Índice de Energia Elétrica: +8,89%

- Índice de materiais básicos: +1,55%

- Índice do setor industrial: +9,46%

- Índice imobiliário: +15,18%

- Índice de utilidade pública: +8,81%