Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +1,29 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.782,40
    +11,90 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    65.972,08
    +1.790,05 (+2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.538,50
    +57,70 (+3,90%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.358,75
    -39,75 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5232
    +0,0270 (+0,42%)
     

Ibovespa perde fôlego nos ajustes e fecha quase estável apesar de NY e Vale

·3 minuto de leitura
Logotipo da B3 em espaço público da companhia, em São Paulo.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou quase estável nesta quinta-feira, perdendo fôlego no final, apesar da trajetória positiva em Wall St e forte alta de Vale, bem como a disparada de Banco Inter após avanço nos planos para listar suas ações nos EUA.

Índice de referência do mercado acionário, o Ibovespa teve variação positiva de 0,02%, a 110.585,43 pontos, desacelerando nos ajustes finais, pressionado particularmente por grandes bancos e ações de varejo.

O volume financeiro da sessão somou 32,6 bilhões de reais.

Em Nova York, o S&P 500 avançou 0,83%, na esteira de acordo legislativo envolvendo aumento do teto da dívida dos EUA, enquanto agentes financeiros aguardam dados do mercado de trabalho na sexta-feira.

No melhor momento nesta quinta-feira, o Ibovespa chegou a 111.521,50 pontos. Mas o fôlego não durou.

Para o fundador e presidente-executivo da plataforma de análises independentes Ohmresearch, Roberto Attuch Júnior, com a performance do Ibovespa nos últimos dias e o desempenho dos mercados no exterior, a bolsa paulista poderia estar melhor.

Em outubro, enquanto o Ibovespa contabiliza variação negativa de 0,35%, o S&P 500 sobe mais de 2%.

Na visão de Attuch Júnior, questões domésticas continuam as ações domésticas em relação às praças acionárias globais, principalmente as mais sensíveis a perspectivas fiscais no país.

"A percepção no mercado é que a única agenda do governo é ganhar popularidade", afirmou, avaliando que a situação econômica não permite a ele chegar competitivo para a eleição no próximo ano.

"Parece que a única agenda que tem é como será financiado um aumento do novo Bolsa Família", acrescentou, citando que isso também tem provocado aumento na curva futura de juros e uma valorização do dólar frente ao real.

Nesta sessão, as taxas futuras de juros voltaram a subir, o que aumentaram a pressão vendedora, principalmente sobre setores atrelados ao mercado doméstico, como ações de varejistas.

Além disso, acrescentou o especialista, as projeções para o crescimento da economia brasileira no próximo ano seguem piorando. Ele não descarta um rali de final de ano nas bolsas globais, mas avalia que o Brasil deve ficar para trás principalmente por causa de questões locais.

DESTAQUES

- VALE ON valorizou-se 2,98%, ampliando o desempenho positivo em outubro, após perdas em julho (-3,97%), agosto (-9,27%) e setembro (-14,71%). A companhia disse que uma decisão judicial determinou retorno imediato das atividades de mineração de Onça Puma, no Pará.

- BANCO INTER UNIT disparou 12,06%, após concluir estudos da reorganização societária e anunciar que contratou bancos para assessorar a listagem dos seus papéis no mercado norte-americano. A alta vem após as units acumularem uma perda de 18,69% nas três sessões anteriores.

- ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN, por sua vez, perderam 2,12% e 2,5%, respectivamente.

- PETRORIO ON subiu 1,71%, renovando máxima histórica intradia, a 27,67 reais no melhor momento, tendo de pano de fundo expectativas sobre o desfecho envolvendo o processo de desinvestimento pela Petrobras nos campos de Albacora e Albacora Leste, na Bacia de Campos.

- CVC BRASIL ON recuou 4,71%, renovando mínima de fechamento em um mês. A operadora de turismo revelou que alguns de seus sistemas seguem interrompidos após ataque de ransomware sofrido em seu ambiente de TI no último dia 2.

- RUMO ON caiu 3,24%, após alta de mais de 7% na véspera, quando a operadora de concessões de infraestrutura apresentou previsões ligadas ao terminal rodoferroviário que ligará Rondonópolis a Cuiabá e Lucas do Rio Verde.

- JBS ON cedeu 2,76%, tendo no radar notícia de que cerca de um terço do gado comprado pela empresa entre janeiro de 2018 e junho de 2019 teria vindo de áreas com problemas de desmatamento ou outras inconformidades, segundo auditoria do Ministério Público Federal do Pará.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos