Mercado fechará em 30 mins
  • BOVESPA

    100.072,51
    -944,45 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.054,42
    -191,44 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,54
    +0,98 (+2,54%)
     
  • OURO

    1.910,20
    +4,50 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    13.599,63
    +492,40 (+3,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    269,81
    +8,52 (+3,26%)
     
  • S&P500

    3.399,84
    -1,13 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    27.560,47
    -124,91 (-0,45%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.560,25
    +68,00 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6948
    +0,0543 (+0,82%)
     

Ibovespa perde fôlego e recua apesar de máximas em NY; Fleury sobe mais de 6%

Por Paula Arend Laier
·3 minutos de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa perdia o fôlego e recuava nesta quarta-feira, em meio a ajustes de posições após forte alta na véspera, com bancos entre as maiores pressões de baixa, enquanto Fleury figurava entre os destaques positivos.

Às 11:37, o Ibovespa caía 0,66 %, a 101.495,01 pontos. O volume financeiro era de 7 bilhões de reais.

Na véspera, o Ibovespa fechou em alta de 2,8%.

As perdas nesta sessão eram atenuadas pela trajetória de alta em Wall Street, onde o S&P 500 e o Nasdaq Composite renovaram recordes, mesmo com dados abaixo do esperado sobre a criação de empregos no setor privado dos EUA.

"Dados econômicos sólidos dos EUA e da China estão dando a investidores esperança de que a economia global possa se recuperar mais rápido do que o esperado da crise do Covid-19", observou o analista Milan Cutkovic, da AxiCorp.

No Brasil, a cena fiscal e desdobramentos sobre reformas, particularmente após promessa de envio da reforma administrativa ainda nesta semana, continuam sendo monitorados por agentes financeiros.

"Para garantir uma trajetória sustentável da dívida nos próximos anos, o ajuste das contas públicas, com foco no dispêndio, é fundamental, principalmente para pensarmos em crescimento econômico e juros de equilíbrio", afirmou o Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco.

"Nesse sentido, o cumprimento do teto de gastos se torna cada vez mais importante", ressaltou em relatório a clientes nesta quarta-feira.

Também o ambiente político no país é acompanhando e, nesse contexto, repercutia positivamente a aprovação pela Câmara dos Deputados de novo marco regulatório do gás natural no Brasil, que deve reduzir a burocracia para investimentos em novos gasodutos e aumentar a competição no setor.

"A aprovação do marco do gás foi robusta...indica ambiente político menos pressionado", avaliou a equipe da Tullett Prebon Brasil, em nota a clientes.

DESTAQUES

- SUZANO caía 2,93%, após começar setembro com elevação relevante, mesmo após alta acumulada de 19,5% em agosto. No setor, KLABIN UNIT perdia 1,95%, após elevação de 1,5% na terça-feira e 24,4% em agosto.

- BTG PACTUAL UNIT recuava 1,85%, capitaneando as perdas dos bancos no Ibovespa, com ITAÚ UNIBANCO PN cedendo 1,15% e BRADESCO PN caindo 0,28%.

- PETROBRAS PN tinha variação negativa 0,21%, com a fraqueza dos preços do petróleo no exterior abrindo espaço para uma realização de lucros no papel.

- VALE ON perdia 1,42%, mesmo com a alta dos preços do minério de ferro na China. A mineradora disse que recebeu declarações de condição de estabilidade negativas (DCEs) para seis estruturas geotécnicas em Minas Gerais.

- USIMINAS PNA avançava 4,03%, descolada do setor, tendo de pano de fundo crescimento de vendas de veículos novos em agosto ante julho no país, além de elevação do preço-alvo para 11 reais pelo UBS.

- FLEURY ON subia 6,23%, um dia após o grupo de diagnósticos médicos anunciar lançamento de uma empresa de tecnologia, baseada na ciência de dados e inteligência artificial.

- PAGUE MENOS ON disparava 17,88% em sua estreia na B3 após precificar IPO a 8,50 reais na segunda-feira, em operação na qual levantou 746,9 milhões de reais.

- LAVVI ON perdia 10,53%, também em estreia na bolsa paulista, após precificar IPO a 9,50 reais por papel na segunda-feira, levantando 1,027 bilhão de reais. CYRELA ON, acionista da companhia, caía 1,59%.