Mercado fechado

Aversão global a risco com avanço de covid-19 nos EUA pressiona Ibovespa

Ana Carolina Neira

Investidores procuram aumentar o nível de proteção e rever suas estratégias O Ibovespa cede espaço ao mau humor global e opera em baixa, em linha com seus pares globais. Hoje, investidores ainda tentam compreender quais as dimensões e efeitos econômicos do aumento de casos de coronavírus nos Estados Unidos, com a pandemia ainda como pano de fundo para os negócios. Alguns estados americanos, como o Texas, já decidiram interromper seu plano de reabertura.

Em um dia de agenda vazia e sendo este o último pregão da semana, já com proximidade do fim do mês, os investidores procuram aumentar o nível de proteção e rever suas estratégias.

Às 12h39, o Ibovespa recuava 1,21%, aos 94.825 pontos. No pior momento do dia, atingiu as mínimas aos 94.518 pontos. O giro financeiro também está um pouco acima da média para o horário e soma R$ 7,8 bilhões.

O clima em todos os mercados pesou consideravelmente após o governador do Texas, Grett Abbott, anunciar que restabelecerá restrições em todo o Estado para conter as recentes altas nos números de casos e hospitalizações por coronavírus.

O assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, também afirmou que novos confinamentos podem ser decretados nos EUA, alimentando os temores dos investidores. O sentimento não é diferente no Brasil, onde as principais capitais também passam por um processo de reabertura. Alguns economistas já dizem que os impactos econômicos podem ser ainda piores caso as economias fiquem neste ritmo de "abre e fecha" em vez de adotar um fechamento mais rígido para conter a contaminação.

Há pouco, as principais pressões vinham de Ambev ON (-0,56%), B3 ON (-1,98%), BB ON (-2,51%), Bradesco (-2,50% a ON e -2,53% a PN), Itaú PN (-1,07%), Petrobras (-1,56% a ON e 1,77% a PN) e units do Santander (-1,88%).

O destaque positivo em um pregão marcado pela força vendedora é IRB Brasil ON (7,11%), que lidera os ganhos do Ibovespa desde a abertura dos negócios e é o quinto ativo mais negociado de todo o mercado à vista.

A procura pelos papéis acontece após o IRB informar a conclusão das investigações feitas na empresa, além da descoberta de uma fraude.

Para alguns operadores, a alta pode ser explicada porque mostra que a companhia cumpriu seu dever de apurar as irregularidades. "Isso demonstra que a companhia agiu com transparência e seguindo as boas práticas de governança corporativa. Toda essa ação reforça que a empresa tem compromisso em apurar o que houve de errado", comenta Raphael Guimarães, operador da RJ Investimentos.

Regis Filho/Valor