Mercado abrirá em 7 h 21 min

Investidor adota cautela em meio à inflação e ao risco fiscal e afeta Ibovespa

Marcelle Gutierrez
·2 minutos de leitura

Investidores monitoram ainda a cena externa O tom de cautela segue predominando na bolsa brasileira, à medida que permanece o difícil cenário fiscal no Brasil e há risco de novos fechamentos das economias pelo mundo com o aumento de casos da covid-19, principalmente na Europa. Localiza ON e Vale ON são os papéis mais negociados da sessão e sobem, trazendo alívio pontual ao índice. Às 16h15, o Ibovespa cedia 1,26%, aos 96.070 pontos. Na máxima, marcou 97.389 pontos; na mínima, ficou em 95.804 pontos. Em Nova York, Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 tinham queda. Régis Chinchila, analista da Terra Investimentos, explica que as bolsas mundiais aguardam por novos estímulos às economias, principalmente diante de novos casos de covid-19. “Mas o fato é que o entendimento no Congresso americano parece distante, com investidores de olho neste cenário”, diz. No ambiente interno, profissionais comentam que a atenção segue no lado fiscal, com rumores de criação de uma “nova CPMF” para transações digitais e pressão inflacionária. O IPCA-15, divulgado hoje, subiu 0,45% em setembro, o maior resultado para setembro desde 2012, depois de alta de 0,23% em agosto. “Os riscos permanecem em torno de aceleração de serviços e industriais no curto prazo, mas ainda assim há de se considerar que o grande espaço de hiato deverá se sobrepor à pressão de curto prazo. Assim, vemos o dado como reforçando a postura recente do Copom de juros baixos por mais tempo”, comenta Felipe Sichel, estrategista-chefe do banco digital modalmais. Embora o pregão seja de viés negativo para o Ibovespa, Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos, explica que a queda poderia ser superior. O alívio pontual vem das ações da Localiza ON, que contribuem com mais de 300 pontos no índice. Os papéis disparam 15%, com o maior giro financeiro do dia, de R$ 1,4 bilhão, impulsionados pela anúncio de fusão com a Unidas. Vale ON é o segundo papel mais negociado, com alta de 1,89%. A mineradora representa, sozinha, 10% do Ibovespa e tem sessão de recuperação, após cair 2,6% até ontem. Andre Penner / Associated Press