Mercado abrirá em 6 h 9 min

Ibovespa sobe com percepção de novos estímulos à frente

Ana Carolina Neira

Proposta de estímulos por bancos centrais e avaliação de impacto do coronavírus na economia são alguns dos elementos em consideração O Ibovespa ganhou fôlego na última hora e passa por um movimento de recuperação após as perdas acumuladas na semana passada. O impulso vem após diferentes bancos centrais indicarem que vão recorrer a medidas de estímulo monetário para mitigar os efeitos negativos do coronavírus. Além disso, analistas afirmam que, depois de baixas tão fortes, também é natural que o índice passe por uma recuperação técnica esperada. Às 16h33, o Ibovespa avançava 1,84%, aos 106.088 pontos.

Na sexta-feira, o presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, indicou que o banco central americano está monitorando os desenvolvimentos e as implicações para a perspectiva econômica e de que o Fed irá agir apropriadamente para dar suporte à economia. O mercado vê com bons olhos os esforços para evitar perdas ainda maiores com a disseminação do vírus.

NY acelera alta após comunicado do Banco Mundial e do FMI

Bolsas europeias fecham sem direção única com BCs no radar

Análise: Cenário se encaminha para ação de governos e BCs

Além de Powell, o presidente do Banco do Japão (BoJ), Haruhiko Kuroda, divulgou declaração onde disse que irá se esforçar para fornecer “ampla liquidez” e garantir a estabilidade nos mercados financeiros por meio de operações de mercado apropriadas e de compra de ativos.

BCs podem cortar juros para conter efeito do coronavírus

As ações ligadas a commodities e exportações são as que sentem esse clima um pouco mais positivo com mais força, trazendo uma recuperação que garante importante suporte ao Ibovespa no dia.

É o caso de Vale ON (3,36%), Usiminas PNA (2,20%), Gerdau PN (1,07%), Gerdau Metalúrgica PN (1,26%), CSN ON (5,10%), Petrobras (1,62% a ON e 2,33% a PN) e Azul PN (1,06%), todas em alta desde o início dos negócios.

Somente Petrobras e Vale representam, juntas, 17,9% do Ibovespa e cederam, respectivamente, 11,02% e 8,58% durante a semana passada. A recuperação também faz das duas as empresas mais negociadas de todo o mercado à vista nesta sessão.

No caso da mineradora, a alta é sustentada pelo avanço de 5,9% no preço do minério de ferro na China acompanhando a onda de otimismo do investidores após diferentes bancos centrais indicarem que vão recorrer a medidas de estímulo monetário para mitigar os efeitos negativos do coronavírus.

O petróleo é outra commodity beneficiada por essa expectativa e sobe também: mais cedo, o Brent tinha valorização de 1,91%, enquanto o WTI avançava 2,64%, o que beneficia os papéis da Petrobras.

Já as companhias aéreas passam por um movimento de recuperação após acumularem fortes perdas na semana passada diante dos temores causados pelo coronavírus. No mundo todo, empresas do setor sofreram com o cancelamento de viagens e especificamente no Brasil, o avanço do dólar acima dos R$ 4,50 também prejudicou as companhias, que possuem a maior parte de seus custos em moeda americana.

Em apenas uma semana, a Azul recuou 196,26%, enquanto a Gol perdeu 24,45%.

Mas o principal destaque positivo do dia é Hypera ON (13,18%), o quinto ativo mais negociado de todo o mercado à vista com um forte giro de R$ 311 milhões, ultrapassando os R$ 109,7 milhões vistos durante toda a sessão de sexta-feira.

A procura pelos papéis acontece após a empresa anunciar um acordo com a Takeda Pharmaceuticals International para adquirir o portfólio da farmacêutica japonesa de medicamentos de prescrição e isentos de prescrição (OTC) na América Latina, por um total de US$ 825 milhões. Com a conclusão da transação e recente aquisição da marca Buscopan, a Hypera Pharma passará a ser a maior empresa farmacêutica do Brasil e a líder absoluta em OTC, com participação de mercado de aproximadamente 20%.

Entre as principais baixas, os destaques são CVC Brasil ON (-13,41%) e Pão de Açúcar ON (-8,63%).A agência de viagens encontrou indícios de “erros na contabilização” de valores transferidos aos fornecedores de serviços turísticos referentes às receitas próprias desses fornecedores. Caso confirmados, “esses erros poderão ensejar a necessidade de ajustes contábeis significativos nos resultados reportados pela companhia”, disse a empresa em comunicado na sexta-feira à noite. Assim, os investidores preferem se desfazer dos papéis por não saber quais serão os desdobramentos do caso.

O giro do papel também já ultrapassa o valor visto na última sexta-feira e chega a R$ 181,7 milhões.

E o Pão de Açúcar cai após a conversão de ações preferenciais em ordinárias, segundo comunicado da empresa. A partir de hoje, todas as ações do GPA negociadas no mercado serão ações ordinárias, último passo para a migração para o segmento Novo Mercado da bolsa.

De acordo com gestores, o movimento acontece para que as ações ordinárias (R$ 74,84 há pouco) consigam atingir um patamar de preço mais próximo daquele que era visto nas preferenciais (R$ 72,11 na sexta-feira).

"O papel cai por um ajuste de preço da ação, mas no geral a avaliação da migração é boa para a empresa por causa dessa ida para o novo mercado", afirma Renato Ometto, gestor do fundo Mauá Capital. É esperado que o ativo consiga se recuperar nos próximos pregões, já que a novidade é um importante passo na área de governança da companhia.

Ibovespa mercado ações

Pixabay