Mercado abrirá em 1 h 8 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,02
    -0,13 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.745,20
    +8,90 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    62.540,70
    -1.602,17 (-2,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.364,72
    -11,06 (-0,80%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.965,34
    +25,76 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.892,50
    +93,75 (+0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7638
    -0,0091 (-0,13%)
     

Ibovespa mostra fraqueza com apreensão sobre Covid-19; IRB Brasil sobe

Paula Arend Laier
·2 minuto de leitura
Mulher passa em frente ao prédio da B3 no centro de São Paulo

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista tinha um viés negativo nesta terça-feira, contaminada pelo cenário externo, em meio a receios com novas medidas de restrição contra a Covid-19 na Europa, enquanto IRB Brasil RE avançava após lucro em janeiro.

Às 11:10, o Ibovespa caía 0,35 %, a 114.575,41 pontos. O volume financeiro era de 4,36 bilhões de reais.

Na Europa, mais ações para combater o coronavírus podem ser necessárias na França, com a quantidade de casos novos acelerando apesar de novo lockdown, enquanto a Alemanha prorrogou o seu lockdown até meados de abril.

"Apenas um progresso claro na campanha de vacinação poderá acalmar os mercados novamente e, até agora, há poucos sinais de que a UE será capaz de acelerar significativamente as vacinações a curto prazo", afirmou o analista Milan Cutkovic, da Axi.

Ainda no exterior, investidores aguardam comentários do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, e da secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen.

No Brasil, onde a crise sanitária também não dá trégua, com o Estado de São Paulo ultrapassando 1.000 mortes em 24h pela primeira vez desde o começo da pandemia, ainda há o preocupante cenário fiscal e a instabilidade política.

O Banco Central reforçou nesta terça-feira os riscos fiscais de curto prazo entre os fatores que corroboraram a alta de Selic para 2,75% na semana passada.

"O país ainda vive um momento de enorme pressão e incerteza", concluiu o estrategista Dan H. Kawa, da TAG Investimentos, em comentários a clientes.

DESTAQUES

- AZUL PN e GOL PN perdiam 3,3% e 2,1%, respectivamente, afetadas pelo cenário ainda complicado para a pandemia de Covid-19, com medidas de restrição alimentando preocupações com os resultados das companhias aéreas.

- ITAÚ UNIBANCO PN cedia 0,5%, em sessão de fraqueza de papéis de bancos, dado o ambiente menos favorável a risco. BRADESCO PN oscilava ao redor da estabilidade.

- PETROBRAS PN recuava 0,3%, na esteira do declínio relevante do petróleo no exterior. A companhia iniciou a chamada fase vinculante do processo para venda de sua participação nos importantes campos de petróleo e gás de Albacora e Albacora Leste.

- VALE ON subia 0,3%, sem um sinal único no setor de mineração e siderurgia do Ibovespa, com USIMINAS PNA em alta de 2,6%, após dados de produção e vendas de sua unidade de siderurgia, que, para analistas da Mirae Asset, sugerem que o mercado interno continua aquecido.

- IRB BRASIL RE ON avançava 3,8%, após reportar lucro líquido de 17,9 milhões de reais em janeiro, revertendo prejuízo um ano antes. O faturamento de competência (prêmio ganho) totalizou 410,9 milhões de reais (+20,9%) e o índice de sinistralidade ficou em 70,6% no período.