Mercado abrirá em 7 h 51 min
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,31
    +0,09 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.812,10
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    16.904,98
    -253,28 (-1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,38
    -5,77 (-1,42%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.630,68
    -105,76 (-0,56%)
     
  • NIKKEI

    27.724,98
    -501,10 (-1,78%)
     
  • NASDAQ

    12.022,75
    -40,00 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4655
    +0,0001 (+0,00%)
     

Ibovespa encontra suporte em Vale e Petrobras, mas Wall St reduz fôlego

Bolsa de Valores B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa não firmava uma tendência nesta quarta-feira, com Vale e Petrobras oferecendo suporte, mas Wall Street experimentando uma trégua no rali recente, enquanto agentes financeiros continuam a acompanhar as movimentações para o segundo turno da eleição presidencial no Brasil.

Às 11:29, o Ibovespa subia 0,25%, a 116.515,02 pontos. No pior momento, chegou a cair a 115.906,33 pontos. Na máxima, atingiu 117.148,03 pontos. O volume financeiro somava 6,7 bilhões de reais.

Em Wall Street, o S&P 500 cedia 1,64%.

Na visão da equipe da Guide Investimentos, "após dois dias de recuperação, o ambiente macro desafiador parece voltar a pesar sobre a confiança, com investidores exercendo uma maior cautela frente à manutenção de uma postura dura dos principais bancos centrais", conforme nota a clientes.

A Opep+ também ocupa os holofotes no exterior, em mais uma sessão de alta do Brent. De acordo com três fontes do cartel à Reuters, os principais ministros da organização concordaram com cortes na produção de petróleo de 2 milhões de barris por dia.

No Brasil, a pauta macroeconômica mostrou que a indústria brasileira voltou a registrar queda em agosto, embora em linha com o esperado, com produção industrial marcando em agosto contração de 0,6%, - o resultado mais fraco para o mês desde 2018.

Da cena política, as campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Bolsonaro seguem se movimentando em busca de apoios, enquanto o mercado busca sinalizações, principalmente de Lula, que venceu o primeiro turno, sobre suas políticas econômicas.

Para economistas do Goldman Sachs, após o rali pós-primeiro turno, a direção do mercado provavelmente refletirá sinais relacionados ao segundo turno, se Lula desloca sua campanha e plataforma política mais para o centro, conforme relatório enviado a clientes.

Eles acrescentaram que o mercado também busca sinais, em particular do petista, para cargos relevantes como o de ministro da Fazenda, além de um contorno mais preciso para as principais propostas ainda vagamente formuladas, como reforma tributária e a âncora fiscal para substituir o teto dos gastos.

DESTAQUES

- VALE ON avançava 1,79%, a 77,15 reais, tendo pano de fundo anúncio pela mineradora de que contratou assessores para avaliar alternativas para destravar valor no longo prazo para seus acionistas. A afirmação foi feita após a veiculação de notícia de que a Vale estaria em negociações para vender participação em metais básicos.

- PETROBRAS PN subia 1,21%, a 31,75 reais, favorecida pela alta dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent avançava 0,23%, a 92,01 dólares o barril. No setor, 3R PETROLEUM ON valorizava-se 3,34% e PRIO ON tinha elevação de 2,18%.

- ITAÚ UNIBANCO PN tinha decréscimo de 0,07%, a 29,78 reais, e BRADESCO PN subia 0,94%, a 21,38 reais, enquanto BANCO DO BRASIL ON avançava 0,89%, a 39,58 reais.

- HAPVIDA ON recuava 3,75%, a 7,96 reais. A operadora de saúde desistiu da aquisição do plano de saúde Plamed, com sede em Aracajú (SE), segundo despacho do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

- CIELO ON caía 3,78%, a 5,34 reais, no segundo dia de ajustes, após forte valorização na abertura da semana. Apesar da queda, os papéis ainda respondem pelo melhor desempenho no Ibovespa em 2022, com alta de cerca de 140%.

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

(Edição Alberto Alerigi Jr.)