Mercado abrirá em 5 h 14 min
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,53 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,47
    +0,08 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.889,50
    +12,90 (+0,69%)
     
  • BTC-USD

    22.790,31
    -619,77 (-2,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,53
    -13,32 (-2,48%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.174,99
    -485,48 (-2,24%)
     
  • NIKKEI

    27.693,65
    +184,19 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.555,75
    -68,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5350
    -0,0035 (-0,06%)
     

Ibovespa hesita com preocupações fiscais, mas Vale oferece suporte

Bolsa de Valores B3

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa hesitava nesta quinta-feira, em meio a preocupações de que uma deterioração do quadro fiscal do país adie um alívio monetário no Brasil, embora a alta de Vale atenuasse a pressão negativa.

Às 12:05, o Ibovespa subia 0,01%, a 109.080,10 pontos. O volume financeiro somava 6,8 bilhões de reais.

O Banco Central decidiu manter a Selic em 13,75% na véspera e afirmou que irá acompanhar "com especial atenção" os desenvolvimentos futuros da política fiscal e seus efeitos nos preços de ativos e expectativas de inflação.

O Credit Suisse e a XP Investimentos revisaram projeções e agora não esperam mais cortes da taxa básica de juros até o final do ano que vem, prevendo que uma redução deve ocorrer apenas em 2024. Antes, o banco suíço estimava uma redução a 11,5% e a XP, a 10% em 2023.

Em meio a preocupações no mercado como rumo fiscal do pais, o Senado aprovou também na quarta-feira a PEC da Transição que expande por dois anos o teto de gastos em 145 bilhões de reais. O texto agora segue para a Câmara dos Deputados.

No exterior, Wall Street abriu em alta, em sessão marcada por dados mostrando um aumento moderado nos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos, enquanto persiste o receio com o efeito da política monetária do Federal Reserve na economia.

DESTAQUES

- VALE ON avançava 2,71%, a 87,14 reais, beneficiada pela recuperação dos preços dos contratos futuros de minério de ferro na Ásia nesta quinta-feira, conforme voltava a prevalecer o otimismo com o relaxamento das restrições da Covid na China.

- PETROBRAS PN subia 0,51%, a 25,48 reais, em dia de alta dos preços do petróleo no exterior, enquanto agentes financeiros seguem monitorando sinais do próximo governo sobre a estratégia da companhia. A Petrobras anunciou mais cedo que não houve qualquer decisão de suspender venda de refinarias.

- GPA ON caía 3,74%, a 18,77 reais, um dia após evento da varejista dono da rede Pão de Açúcar realizar evento com investidores. Em relatório, o BTG Pactual afirmou que as iniciativas de 'turnaround' parecem boas, mas que o GPA ainda precisa mostrar melhores resultados em um cenário macro mais difícil.

- CVC BRASIL ON recuava 5,43%, a 4,53 reais, mais do que devolvendo a alta da véspera e renovando mínima histórica intradia, em dia de dólar praticamente estável ante o real. No setor de viagens, que figurou entre as maiores altas do Ibovespa na véspera, GOL PN cedia 3,35% e AZUL PN perdia 2,77%.

- NATURA&CO ON mostrava declínio de 3,23%, a 11,99 reais, após uma recuperação recente desde o final da semana passada, conforme persistem prognósticos desfavoráveis para o consumo no país. Entre as varejistas, MAGAZINE LUIZA ON perdia 2,72%.

- ITAÚ UNIBANCO PN perdia 1%, a 25,7 reais, e BRADESCO PN cedia 0,73%, a 14,87 reais, também pressionando o Ibovespa, em dia mais negativo para o setor de bancos como um todo.

(Por Paula Arend Laier, com reportagem adicional de André Romani)