Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.169,51
    +722,58 (+1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Ibovespa hesita com mercado à espera de Fed e Copom

Paula Arend laier
·3 minuto de leitura

Por Paula Arend laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa refletia certa hesitação nesta "super quarta-feira", enquanto agentes financeiros aguardam decisões de política monetária do Federal Reserve nos Estados Unidos e do Banco Central brasileiro.

Às 11:14, o Ibovespa subia 0,05%, a 114.079,90 pontos. O volume financeiro era de 5,7 bilhões de reais.

No caso do Fed, que anuncia decisão às 15h (horário de Brasília), a Guide Investimentos destacou que os olhos estão no comunicado, onde investidores buscarão identificar mudanças no tom quanto à postura do BC norte-americano.

Em relação ao Comitê de Política Monetária (Copom), no Brasil, a expectativa é de divulgação após o fechamento da bolsa da primeira alta da Selic em quase seis anos, com um acréscimo de 0,5 ponto percentual sobre os atuais 2% ao ano.

O comunicado, segundo o Credit Suisse, pode esclarecer o quão deteriorado o BC considera o balanço de riscos para a inflação, se ainda vê os choques inflacionários como temporários, e se os a taxa de juros deve ser normalizada, mas apenas parcialmente.

Os economistas do banco Solange Srour e Lucas Vilela estimam que a Selic será elevada em 2,50 pontos neste ciclo, para 4,5% ao ano em 2021, com cinco subidas consecutivas de 0,5 ponto em cada uma das restantes reuniões do ano.

DESTAQUES

- COSAN ON subia 3,4%, endossada por relatório do BTG Pactual, reiterando recomendação de "compra" e elevando o preço-alvo para 130 reais.

- PETROBRAS PN valorizava-se 2%, mesmo com a queda do petróleo no exterior. O Comitê de Pessoas da companhia aprovou na terça-feira o nome do general da reserva Joaquim Silva e Luna, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o comando da companhia e vaga no conselho.

- GOL PN valorizava-se 2%, também tendo resultado trimestral no radar, mais especificamente na quinta-feira. O Credit Suisse espera melhora sequencial, embora a nova onda da pandemia possa pesar nos números do primeiro trimestre. AZUL PN avançava 1,9%.

- MAGAZINE LUIZA ON cedia 2,65%, entre as maiores quedas do Ibovespa, com o setor como um todo no vermelho, com VIA VAREJO ON perdendo 1,7% e B2W ON caindo 1,3%. Em Nova York, MERCADO LIVRE mostrava declínio de 2,7%.

- NOTRE DAME INTERMÉDICA ON recuava 0,9%, mesmo com alta de mais de 20% receita líquida nos últimos três meses de 2020, uma vez que o resultado operacional medido pelo Ebitda ajustado cresceu 6,1% e margens recuaram.

- YDUQS ON caía 0,9%, antes da divulgação do balanço do quarto trimestre, previsto para após o fechamento do mercado. No setor, COGNA ON cedia 0,5%.

- VALE ON registrava acréscimo de 0,6%, com o setor de mineração e siderurgia como um todo no azul, na esteira da alta dos contratos futuros do minério de ferro e do aço na China.

- ITAÚ UNIBANCO PN avançava 0,7% e BRADESCO PN subia 0,5%, também ajudando a atenuar a pressão de baixa no Ibovespa.

(Edição Alberto Alerigi Jr.)