Mercado fechará em 5 h 53 min
  • BOVESPA

    109.657,33
    +813,59 (+0,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.801,72
    +244,07 (+0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,35
    +0,06 (+0,09%)
     
  • OURO

    1.775,70
    +11,90 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    43.067,56
    -943,72 (-2,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.078,27
    +14,42 (+1,36%)
     
  • S&P500

    4.373,26
    +15,53 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.160,11
    +189,64 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.004,61
    +100,70 (+1,46%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.084,25
    +74,75 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2221
    -0,0226 (-0,36%)
     

Ibovespa hesita após duas altas com Fed no horizonte

·2 minuto de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa titubeava nesta quinta-feira, após duas altas seguidas, em meio a um ambiente mais cauteloso no exterior, onde os holofotes estão voltados para o simpósio do Federal Reserve em Jackson Hole, particularmente para a fala do chair do banco central norte-americano na sexta-feira.

Às 11:19, o Ibovespa caía 0,06%, a 120.749,72 pontos. A queda vem após acumular alta de 2,85% nos últimos dois pregões. O volume financeiro nesta sessão somava 5,8 bilhões de reais.

Analistas esperam que Jerome Powell ofereça no último pregão da semana novas pistas sobre quando o Fed pode começar a reduzir suas compras de ativos, embora não exista a expectativa de surpresas ou anúncios capazes de agitar muito os mercados. Ele falará às 11h (horário de Brasília).

"O clima de negócios em geral é de cautela", afirmou o economista sênior do Banco ABC Brasil, Daniel Xavier, lembrando que, na semana passada, o Fed sugeriu em ata de política monetária que poderá começar a reduzir suas compras mensais de ativos financeiros antes do fim do ano.

Em Wall Street, o S&P 500 e o Nasdaq Composite trabalhavam com variações discretas após renovarem máximas históricas na véspera.

No Brasil, a tensão político-institucional não dá trégua, com o presidente Jair Bolsonaro criticando decisão do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), de rejeitar o pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A crise hídrica no país também preocupa, destacou o economista-chefe do banco digital Modalmais, Álvaro Bandeira, particularmente o efeito sobre a inflação de potenciais novos aumentos de preços na energia elétrica.

DESTAQUES

- CYRELA ON recuava 2,9%, em dia de ajuste, após os papéis dispararem nas últimas duas sessões, acumulando no período elevação de 16,7%. O índice do setor imobiliário, que também inclui ações de shoppings, cedia 1,5%.

- COSAN ON caía 2,5%, devolvendo ganhos dos dois pregões anteriores e acumulando até o momento queda de quase 14% em agosto, enquanto agentes financeiros ainda digerem mudanças na estratégia de investimentos do grupo.

- CCR ON mostrava declínio de 0,8%, tendo no radar anúncio de que a Andrade Gutierres fechou acordo para vender sua participação no grupo de concessões de infraestrutura para a brasileira IG4 Capital.

- VALE ON subia 0,2%, em dia com nova alta dos preços do minério de ferro na China.

- PETROBRAS PN avançava 0,4%, descolada do declínio dos preços do petróleo no exterior.

- ITAÚ UNIBANCO PN recuava 0,7% e BRADESCO PN perdia 0,4%, enfraquecendo o Ibovespa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos