Mercado fechado

Ibovespa ganha fôlego na abertura e segue em recuperação

Ana Carolina Neira

Clima no mercado local e no exterior está mais tranquilo quanto ao coronavírus O Ibovespa opera em forte alta nesta primeira hora de pregão, aproveitando para recuperar-se das intensas perdas da semana passada. Tanto aqui quanto no exterior o clima está mais tranquilo em relação ao coronavírus, especialmente após as autoridades chinesas demonstrarem esforço em conter o contágio e prover liquidez ao mercado local.

Segundo analistas, a injeção de aproximadamente US$ 180 bilhões nos mercados chineses e os cortes nas taxas de juros de curto prazo promovidos pelo banco central chinês são responsáveis por garantir alguma tranquilidade aos agentes.

Bolsas europeias operam em forte alta com ação do BC chinês e dados dos EUA

Bolsas da China se estabilizam e fecham em alta após tombo da véspera

Juros futuros têm queda firme com dólar fraco e produção industrial

Petróleo opera em alta em meio a reunião urgente da Opep

Com isso, enquanto não chegam notícias mais negativas sobre o coronavírus, os investidores aproveitam para buscar ativos mais arriscados. Às 10h45, o Ibovespa subia 1,48%, aos 116.331 pontos. O giro financeiro também era alto e somava R$ 1,69 bilhão. Caso continue neste ritmo, serão movimentados mais de R$ 17 bilhões até o fim da sessão, bem acima da média diária de 2019, de R$ 12,3 bilhões.

Entre as maiores altas da bolsa até aqui estão MRV ON (6,27%) e Gol PN (4,75%), que anunciou o fechamento de um acordo com a American Airlines para o compartilhamento de voos. A parceria permitirá à companhia americana oferecer 20 novos destinos para a América do Sul, como Assunção, no Paraguai, e proporcionará à Gol o compartilhamento de voos em novas rotas nos Estados Unidos.

O maior suporte para o avanço do índice, no entanto, vem das ações com maior peso e liquidez e que sofreram fortes perdas ao longo da semana passada, como Banco do Brasil ON (1,37%), Bradesco (1,06% a ON e 1,41% a PN), Itaú Unibanco PN (1,12%), Petrobras (2,63% a ON e 1,88% a PN), as units do Santander (1,17%) e Vale ON (2,69%).