Mercado abrirá em 4 h 26 min

Ibovespa futuro mantém alta com endosso externo

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa futuro mantinha o viés de alta nesta terça-feira, endossado pelo cenário externo favorável, enquanto agentes financeiros continuam especulando sobre os próximos passos do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva e monitorando o bloqueio e a interdição de estradas no país.

Por volta de 09:40, o contrato do Ibovespa com vencimento mais curto, em 14 de dezembro, subia 1,43%, a 119.105 pontos, sinalizando uma abertura positiva na bolsa paulista.

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL), derrotado no segundo turno da eleição, bloqueavam ou interditavam nesta terça-feira estradas em 22 Estados e no Distrito Federal, inconformados com o resultado das urnas, mesmo após o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinar o desbloqueio imediato.

De acordo com dados da Polícia Rodoviária Federal, havia 271 pontos de bloqueio ou interdição em estradas de 22 Estados e do Distrito Federal às 6h10 desta terça. A PRF dará uma entrevista coletiva às 11h.

Investidores também continuam na expectativa de alguma declaração de Bolsonaro sobre o desfecho da eleição, com muitos aliados já tendo reconhecido a vitória de Lula. Assim como aguardam os primeiros relatos do PT sobre a equipe do novo governo e detalhamento de suas políticas.

"Naturalmente, os mercados aguardam com ansiedade a decisão sobre o novo ministro das Finanças", afirmaram os estrategistas do BTG Pactual Carlos Sequeira e Osni Carf.

Ainda na pauta brasileira, a temporada de balanços destaca os números de Cielo, RD PRIO, CSN e CSN Mineração, entre outros.

No exterior, as bolsas na Ásia tiveram um fechamento positivo, em movimento que era acompanhado pelos pregões na Europa e futuros acionários nos Estados Unidos. No foco, está a expectativa de que o Federal Reserve sinalize um ritmo mais lento de aumento futuro dos juros.

Entre as commodities, petróleo também tinha uma sessão positiva, assim como fecharam em alta os preços do minério de ferro na China.

(Por Paula Arend Laier)