Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.072,28
    +91,92 (+0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Ibovespa flerta com máximas desde janeiro após Santander Brasil e Fed

Aluisio Alves
·3 minuto de leitura

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa subiu nesta quarta-feira, após o Federal Reserve ter mantido o juro dos Estados Unidos no piso histórico e com divulgação de resultados corporativos domésticos majoritariamente positivos.

Apoiado em ganhos robustos de ações de bancos após o balanço trimestral do Santander Brasil, o Ibovespa avançou 1,39%, aos 12.052,52 pontos. O giro financeiro da sessão somou 31,1 bilhões de reais.

O Federal Reserve manteve o juro e seu programa mensal de compra de títulos, reconhecendo a força crescente da economia dos EUA, mas sem sinalizar que pretenda começar a reduzir seu suporte à recuperação.

Segundo profissionais do mercado, apesar de pontos domésticos de tensão, incluindo a CPI da Covid e mudanças na equipe do Ministério da Economia, a conjuntura global favorável de ampla liquidez prevaleceu nos negócios da bolsa paulista.

"Com números sólidos (do Santander Brasil) e os papéis dos bancos longe das máximas, a expectativa positiva levou a um aumento da demanda pelas ações, vide a probabilidade de revisões positivas para o setor, que, por conta da pandemia e os efeitos da inadimplência, as estimativas estavam conservadoras", afirmou Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora.

Na sequência, Multiplan e CSN divulgam seus números nesta noite e Embraer e Gol, na manhã de quinta, dia que promete ser movimentado na B3, com a estreia das ações da Caixa Seguridade.

Também para esta noite estão previstas as precificações das oferta iniciais de ações (IPOs) do modalmais, Hospital Care e Kora Saude, que devem iniciar negócios na bolsa na sexta-feira, quando também está previsto o leilão de concessão da empresa de saneamento Cedae.

DESTAQUES

- SANTANDER BRASIL deu um salto de 8,06%, liderando os ganhos do índice, após reportar lucro líquido recorrente de 4 bilhões de reais no primeiro trimestre, 9,2% acima da estimativa dos analistas compilada pela Refinitiv e 4,1% superior ao registrado um ano antes. "Até agora tudo bem; inadimplência segue surpreendentemente baixa", abservou o BTG Pactual em relatório.

- Ações dos demais bancos do índice foram na mesma direção. BRADESCO ganhou 4,97%, ITAÚ UNIBANCO teve elevação de 4,32%, BANCO DO BRASIL avançou 1,78% e BTG PACTUAL cresceu 1,71%.

- WEG perdeu força durante a sessão e caiu 1,38%, mesmo após a fabricante de motores elétricos ter reportado alta de mais de 70% no lucro líquido do primeiro trimestre, beneficiando-se da recuperação da economia global dos efeitos da pandemia.

- CIELO perdeu 3,29%, após resultados trimestrais que frustraram o mercado. A empresa de meios de pagamentos teve queda de 18,6% do lucro trimestral ante o primeiro trimestre de 2020. Em nota a clientes, o Credit Suisse chamou os resultados da Cielo de nada inspiradores.

- SUZANO perdeu 4,7%, com a queda de 1,86% do dólar frente ao real mantendo a pressão sobre ações de grandes exportadoras do país. JBS recuou 6,14% e BRF teve baixa de 2,41%.

- VALE ganhou 1,63%, mesmo diante da queda dos preços de commodities metálicas no exterior. CSN, que divulga seus resultados do trimestre nesta noite, avançou 0,75%

- CEMIG teve incremento de 5,85%. O presidente da companhia, Reynaldo Passanezi, disse nesta quarta-feira que a elétrica espera obter cerca de 9 bilhões de reais com desinvestimentos nos próximos cinco anos.