Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,84 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,49 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,63
    +0,31 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.732,60
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    60.044,55
    +355,68 (+0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.287,26
    -7,33 (-0,57%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.453,28
    -245,52 (-0,86%)
     
  • NIKKEI

    29.538,73
    -229,33 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    13.824,75
    -4,75 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8305
    +0,0663 (+0,98%)
     

Ibovespa flerta com azul, mas volta a cair em sessão volátil por receios fiscais

·1 minuto de leitura
.

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa mostrava volatilidade nesta quarta-feira, chegando a trabalhar momentaneamento no azul, em meio a expectativas relacionadas ao cenário fiscal brasileiro, na esteria do agravamento da pandemia de Covid-19 no país.

Às 17:22, o Ibovespa caía 0,23%, a 111.278,38 pontos. Na máxima, chegou a 112.398,24 pontos, em alta de 0,77%, após recuar 3,6% no pior momento mais cedo. O volume financeiro da sessão era de 36,8 bilhões de reais.

Em comentário a clientes, o BTG Pactual atribuiu a melhora a comentários do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), no sentido de descartar o Bolsa Família fora do teto de gastos.

"Tanto o Senado quanto a Câmara votarão as PECs sem nenhum risco ao teto de gastos, sem nenhuma excepcionalidade ao teto. Essas especulações não contribuem para o clima de estabilidade e previsibilidade", afirmou o deputado no Twitter.

O novo parecer da PEC Emergencial, com uma versão mais desidratada da proposta, de forma a facilitar sua votação, foi oficialmente protocolado e lido em plenário na terça-feira.

No mercado, houve confusão torno de o Bolsa Família ser retirado totalmente ou somente só dos gatilhos fiscais. Na versão protocolada não havia previsão de retirada do Bolsa Família, embora novas mudanças não sejam descartadas.

O noticiário vespertino também trazia informações de que o Ministério da Saúde vai assinar com a Pfizer para comprar vacinas do laboratório contra Covid-19.

Um fonte do governo, com conhecimento direto do assunto, disse à Reuters qie ainda não está confirmado se o contrato será para a compra de 100 milhões de doses, com a pasta adquirindo toda a produção do laboratório disponível para o Brasil.

(Por Paula Arend Laier)