Mercado fechará em 6 h 28 min
  • BOVESPA

    117.334,69
    -226,14 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,56
    +1,11 (+1,25%)
     
  • OURO

    1.710,80
    -10,00 (-0,58%)
     
  • BTC-USD

    19.650,85
    -431,56 (-2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    447,47
    -7,56 (-1,66%)
     
  • S&P500

    3.694,92
    -49,60 (-1,32%)
     
  • DOW JONES

    29.631,23
    -295,71 (-0,99%)
     
  • FTSE

    6.994,59
    -2,68 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.349,75
    -192,00 (-1,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0943
    -0,0192 (-0,38%)
     

Ibovespa fecha quase estável com Petrobras atenuando viés externo negativo

Sede B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou quase estável nesta segunda-feira, com Petrobras avançando mais de 2%, para nova máxima histórica, na esteira da alta do petróleo no exterior, enquanto IRB Brasil figurou entre as maiores quedas, antes da precificação de uma oferta de ações nesta semana.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,02%, a 112.323,12 pontos. O volume financeiro somou 20,5 bilhões de reais, abaixo da média diária de 29,2 bilhões de reais em agosto.

De acordo com o analista Fábio Perina, do Itaú BBA, do ponto de vista gráfico, apesar da queda de 1% na última sexta-feira, o Ibovespa não perdeu o suporte em 111.900 pontos, o que abriria caminho para um movimento de realização de lucros.

Em comentário a clientes, ele destacou que o grande desafio do Ibovespa em superar a região entre 112.800 e 114.400 pontos continua e que "o cenário ficou mais distante para um novo rali acima dos 114 mil pontos, já que a força para cima do mercado internacional não tem mais, ao menos por enquanto".

No exterior, Wall Street teve uma sessão abatida, com agentes financeiros ainda processando a perspectiva de que o banco central norte-americano irá sacrificar o crescimento econômico para ancorar a inflação se necessário. O S&P 500 fechou com declínio de 0,67%.

"Os investidores seguem cautelosos", observou o analista Régis Chinchila, da Terra Investimentos, citando os comentários do chair do Federal Reserve na sexta-feira, mas também de dirigentes do Banco Central Europeu apoiando a continuidade de aumento na taxa de juros para combater a inflação.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN subiu 2,5%, a 34,48 reais, renovando máximas históricas, acompanhando o avanço dos preços do petróleo no exterior, com o Brent, contrato da commodity usado como referência pela estatal, fechando em alta de 4,1%. No setor, 3R PETROLEUM ON avançou 1,94% e PRIO ON ganhou 2,52%.

- BANCO PAN PN disparou 10,74%, a 7,94 reais, melhor desempenho do Ibovespa. O banco é um dos poucos que pretendem atuar na oferta de crédito consignado para beneficiários do programa Auxílio Brasil. Entre os bancos maiores, BRADESCO PN fechou com acréscimo de 0,36% e ITAÚ UNIBANCO PN cedeu 0,34%.

- IRB BRASIL RE ON cedeu 5,58%, a 1,86 real, tendo renovado mínima histórica nesta segunda-feira, a poucos dias da precificação de uma oferta bilionária de ações da resseguradora, que busca reenquadramento de indicadores regulatórios. Em 2022, as ações caem mais de 50%. Analistas do JPMorgan reiteraram 'underweight' para os papéis.

- VALE ON caiu 1,93%, a 66,91 reais, seguindo a queda do preço do minério de ferro na China, após rali de cinco sessões da commodity, com o ressurgimento das receios sobre os cortes na produção de aço no país asiático. Ne setor, USIMINAS PNA perdeu 5,19%, a 8,22 reais, tendo no radar corte de recomendação pelo BTG Pactual.

(Por Paula Arend Laier)