Mercado abrirá em 5 h 27 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,07
    -0,19 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.814,20
    -8,00 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    38.606,44
    -1.594,87 (-3,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,53
    -22,37 (-2,33%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.090,97
    +9,25 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    26.145,36
    -90,44 (-0,34%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.986,00
    +33,25 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1192
    -0,0249 (-0,41%)
     

Ibovespa fecha na mínima desde maio com receio sobre Covid-19 e tombo do petróleo

·2 minuto de leitura
Painel eletrônico da B3.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou na mínima desde maio nesta segunda-feira, pressionado pelos temores globais de recrudescimento da pandemia de Covid-19, em meio à disseminação da variante Delta e seus reflexos na retomada da economia mundial.

Um acordo da Opep+ para um aumento de produção reforçou o viés negativo nos mercados, no caso da bolsa paulista por meio das ações da Petrobras, em razão de preocupações quanto a um excesso de oferta da commodity.

Índice de referência da bolsa brasileira, o Ibovespa caiu 1,24%, a 124.394,57 pontos, menor fechamento desde 28 de maio, embora ainda tenha se afastado da mínima da sessão, quando chegou a 123.317,27 pontos.

O volume financeiro no pregão somou 29 bilhões de reais.

Na visão do diretor de investimentos da Reach Capital, Ricardo Campos, os mercados também refletem o medo global de uma inflação que permanece alta e um crescimento que não é tão certo com fim de auxílios em todo o mundo.

Em Wall Street, o S&P 500 fechou em baixa de 1,59%, mesmo sinal registrado pelos rendimentos Treasuries.

DESTAQUES

- VALE ON caiu 1,09%, em meio ao declínio nos preços futuros do minério de ferro na China, com CSN apresentando o pior desempenho no setor, com queda de 1,34%.

- PETROBRAS PN fechou em baixa de 1,65%, na esteira do tombo de 6,75% do petróleo Brent após a Opep+ fechar acordo para aumento da produção, em momento em que o número de casos de Covid-19 aumenta em diversos países.

- GOL PN e AZUL PN recuaram 3,61% e 3,04%, respectivamente, em meio aos receios pelo aumento de casos de coronavírus em alguns países. CVC BRASIL ON terminou em queda de 3,43%.

- BTG PACTUAL UNIT perdeu 1,64%, enquanto ITAÚ UNIBANCO PN recuou 0,58% e BRADESCO PN registrou declínio de 1,48%.

- AMERICANAS ON desabou 8,94% e LOJAS AMERICANAS PN despencou 8,78%, no primeiro pregão após concluir a combinação dos negócios entre a empresa de comércio eletrônico B2W e sua controladora Lojas Americanas. No setor de ecommerce, VIA VAREJO ON caiu 3,77% e MAGAZINE LUIZA ON cedeu 3,26%.

- LOCAWEB ON avançou 1,38%, entre as poucas altas do Ibovespa, revertendo a fraqueza da abertura, quando chegou a recuar mais de 4%.

- TEGMA ON, que não está no Ibovespa, caiu 6%, pior desempenho do Small Caps, após recusar oferta de combinação de negócios da rival JSL. JSL ON recuou 2,16%.

- OI ON, também fora do Ibovespa, fechou em baixa de 8,13%, após a empresa de telecomunicações que em recuperação judicial divulgar plano estratégico, com previsão de Ebitda de 1,9 bilhão a 2,3 bilhões de reais em 2024.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos