Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.977,62
    +1.373,31 (+2,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Ibovespa fecha em queda com Vale e NY em sessão volátil; Cielo salta 13%

Paula Arend Laier
·3 minuto de leitura
.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira, no fim de sessão volátil, emendando o sexto pregão consecutivo no vermelho, com a piora em Wall Street e o declínio das ações da Vale ofuscando a alta de Petrobras e o salto de Cielo.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 0,5%, a 115.882,30 pontos, tendo recuado a 114.886,51 pontos na mínima e avançado a 117.839,79 pontos na máxima. O giro financeiro foi de 35,6 bilhões de reais.

Na visão do sócio da Manchester Investimentos, Eduardo Cubas Pereira, dúvidas relacionadas à vacinação contra a Covid-19, incluindo a eficácia em meio a novas variantes do vírus, e preocupações fiscais continuam pressionando as ações.

Mas ele classificou como saudável a realização de lucros na bolsa paulista após o Ibovespa renovar marca histórica no dia 8, quando fechou em 125.076,63 pontos. Desde então, considerando dados de fechamento, o Ibovespa acumula queda de 7,35%.

Ele afirmou que as últimas declarações do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizando compromisso com o teto de gastos e agenda mais pró-mercado agradaram, mas que o discurso precisa se transformar em fatos.

Nos Estados Unidos, o S&P 500 fechou em queda de 2,57%, com hedge funds se desfazendo de posições compradas para cobrir 'short squeeze', com agentes financeiros também repercutindo balanços e sinalizações do Federal Reserve.

No comunicado que acompanhou a decisão de deixar sua política monetária estável, o Fed sinalizou uma possível desaceleração no ritmo da recuperação da economia norte-americana, citando a atual crise de saúde pública no país.

DESTAQUES

- VALE ON recuou 2,78%, em dia de queda dos futuros do minério de ferro na China, reflexo de preocupações com uma provável redução na produção de siderúrgicas em razão dos elevados custos de produção e de demanda fraca. USIMINAS PNA cedeu 2,66%, CSN ON perdeu 2,73% e GERDAU PN caiu 1,83%.

- ITAÚ UNIBANCO PN cedeu 0,07%, sem conseguir sustentar a alta, que chegou a 2,6% no melhor momento do pregão, enquanto BRADESCO PN teve alta de 1,6% e BANCO DO BRASIL ON avançou 2,44%, tendo de pano de fundo resultado da Cielo, empresa da qual são sócios controladores. SANTANDER BRASIL UNIT perdeu 0,61%.

- CIELO ON saltou 13,35%, após abrir a safra de balanços do Ibovespa com resultado bem avaliado por analistas. "Há uma luz no fim do túnel... E não é um trem", escreveu o Bradesco BBI. Executivos da maior empresa de meios de pagamentos do país prometeram vender alguns ativos não essenciais enquanto aguardam aval do BC para uso do WhatsApp em pagamentos e ampliam a oferta de produtos de crédito.

- PETROBRAS PN fechou em alta de 1,41%, mas afastando-se das máximas conforme os preços do petróleo no exterior perderam fôlego. PETROBRAS ON subiu 1,38%. O contrato futuro do Brent recuou 0,10 dólar, a 55,81 dólares o barril.