Mercado fechará em 5 h 39 min
  • BOVESPA

    109.156,72
    +42,56 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.063,65
    +255,09 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,85
    +2,14 (+2,79%)
     
  • OURO

    1.643,00
    +9,60 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    20.151,37
    +947,26 (+4,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    460,90
    +1,76 (+0,38%)
     
  • S&P500

    3.686,19
    +31,15 (+0,85%)
     
  • DOW JONES

    29.443,12
    +182,31 (+0,62%)
     
  • FTSE

    7.016,15
    -4,80 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.444,25
    +128,00 (+1,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1577
    -0,0217 (-0,42%)
     

Ibovespa fecha em queda com Wall St e tombo do petróleo

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa teve queda nesta terça-feira, contaminado por Wall Street, com números de emprego acentuando preocupações sobre o ciclo de aumento dos juros nos Estados Unidos, enquanto Petrobras desabou na esteira do tombo do petróleo no exterior.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 1,68%, a 110.430,64 pontos. O volume financeiro somava 24,2 bilhões de reais.

Nos EUA, o S&P 500 recuou 1,1%, na terceira baixa seguida, com um aumento nas vagas de emprego em aberto em julho reforçando apostas de que o Federal Reserve manterá trajetória agressiva de aperto da política monetária.

O presidente do Fed de Nova York, John Williams, também disse nesta terça-feira que o BC dos EUA provavelmente precisará elevar sua taxa básica de juros acima de 3,5%.

Para o superintendente da Necton/BTG Pactual, Marco Tulli, o medo em relação aos próximos movimentos da taxa de juros dos EUA foi o maior peso negativo nos mercados. "E ainda teve Vale caindo", disse, mencionando peso relevante do papel no Ibovespa.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN desabou 5,95%, a 32,43 reais, com o declínio do petróleo no exterior endossando realização de lucros, após as ações renovarem máximas na véspera. No ano, ainda acumulam valorização de 70%. Além disso, o Itaú BBA cortou a recomendação da ações da estatal para "market perform" e o preço-alvo de 43 para 38 reais. No exterior, o Brent fechou em baixa de 5,5%.

- VALE ON perdeu 2,9%, a 64,97 reais, uma vez que os contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Cingapura caíram abaixo de 100 dólares a tonelada em meio a preocupações com as restrições da Covid-19 e limitações à produção de aço na China.

- BRF ON cedeu 1,1%, a 16,19 reais, após disparar quase 8,5% nos primeiros negócios, depois de anunciar que o presidente-executivo da companhia, Lorival Luz, renunciou ao cargo, e que ele será substituído por Miguel Gularte, que atuava como presidente da Marfrig. A Marfrig detém 33,27% da BRF, da qual é o maior acionista. MARFRIG ON fechou em queda de 3,78%, a 13,49 reais. O conselho de administração da Marfrig aprovou a eleição de Rui Mendonça Junior para ocupar o cargo de diretor presidente.

- LOCALIZA ON subiu 1,43%, a 62,23 reais, após relatório de analistas do JPMorgan elevando a recomendação dos papéis para 'overweight', com preço-alvo de 76,50 reais para o final de 2023.

- IRB BRASIL caiu 7,53%, a 1,72 real, renovando mínima histórica, batendo 1,68 real no pior momento. A poucos dias da precificação de uma oferta de ações, a resseguradora disse que acertou a venda de sua sede no Rio de Janeiro ao Sebrae/RJ por 85,3 milhões de reais.

- CVC BRASIL ON encolheu 8,15%, a 7,55 reais, com o setor ligadado a viagens pressionado diante da alta do dólar. GOL PN recuou 6,22% e AZUL PN cedeu 4,84%.