Mercado abrirá em 1 h 56 min
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,18
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.815,40
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    37.979,46
    -169,51 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    940,53
    +13,76 (+1,48%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.112,16
    -11,70 (-0,16%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.108,00
    +34,50 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1211
    +0,0028 (+0,05%)
     

Ibovespa fecha em queda com receios sobre cena política

·3 minuto de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em queda nesta quinta-feira, começando o segundo semestre do ano no patamar de 125 mil pontos, enfraquecido pelo momento político mais complicado no país, enquanto BR Distribuidora avançou mais de 7% após a Petrobras vender sua participação na companhia.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 0,9%, a 125.666,19 pontos, tendo recuado a 124.993,64 no pior momento. O volume financeiro na bolsa somou 32 bilhões de reais.

"O cenário político está entrando de vez no radar dos investidores com as investigações da CPI da Covid", avaliou o analista da Terra Investimentos Régis Chinchila, chamando a atenção para denúncias de irregularidades envolvendo compra de vacinas e como isso pode afetar o presidente Jair Bolsonaro.

O grande risco no momento, na visão de Chinchila, é o governo começar a perder apoio do 'centrão', principalmente no andamento da pauta de reformas, além de potenciais reflexos na corrida presidencial no próximo ano.

Nesse contexto, ocupou a atenção a audiência na CPI de Luiz Paulo Dominguetti, representante da Davati Medical Supply, que afirmou ao jornal Folha de S.Paulo ter recebido pedido de propina de 1 dólar por dose, em troca de assinar contrato de venda de vacinas AstraZeneca com o Ministério da Saúde.

O analista da Clear Corretora Rafael Ribeiro também chamou a atenção para a decisão da ministra do STF, Rosa Weber, de enviar à PGR um pedido de investigação contra o presidente Jair Bolsonaro no âmbito de supostas irregularidades na negociação de vacinas contra a Covid-19 pelo Ministério da Saúde.

Além disso, investidores continuaram analisando os potenciais efeitos das medidas propostas pelo governo brasileiro na segunda fase da reforma tributária, que incluiu medidas como a eliminação do benefício fiscal por meio de juros sobre capital próprio (JCP).

"O Ibovespa confirmou a perda de 127 mil pontos e iniciou um processo de correção no curtíssimo prazo que tem como primeiro alvo a faixa de 125 mil pontos e principal no último topo rompido em 122 mil pontos", acrescentou o analista da Clear Corretora Rafael Ribeiro

DESTAQUES

- VALE ON caiu 1,74% em sessão de ajustes após subir nos dois pregões anteriores, apesar da alta dos contratos futuros do minério de ferro na China. No setor, USIMINAS PNA subiu apenas 0,99%, com previsão de efeito positivo de 2,4 bilhões de reais com decisão do STF sobre a base da cálculo do PIS/Cofins.

- BR DISTRIBUIDORA ON disparou 7,2%, após a Petrobras vender sua participação remanescente de 37,5% na companhia, em oferta precificada a 26 reais por ação. PETROBRAS ON cedeu 1,75%, revertendo os ganhos registrados mais cedo, apesar da alta do petróleo no exterior e de ter levantado 11,36 bilhões de reais com a oferta de ações da BR.

- B3 ON fechou em baixa de 2,97%, devolvendo parte da recuperação verificada desde meados do mês passado, quando a ação atingiu uma mínima intradia em cerca de um ano por receios relacionados a maior competição no setor e acomodação nos volumes de ações negociados. Desde então, o papel tinha se valorizado mais de 8% até a véspera.

- BRADESCO PN perdeu 1,24% e ITAÚ UNIBANCO PN recuou 0,32%, ainda afetados pelos receios com as medidas relacionadas à segunda fase da reforma tributária.

- MULTIPLAN ON caiu 3,11%, após trégua na véspera, conforme investidores seguem avaliando os potenciais efeitos de mudanças tributárias apresentadas pelo governo brasileiro. No setor, BRMALLS ON fechou em baixa de 2,17% e IGUATEMI ON cedeu 2,72%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos