Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    55.240,87
    +399,10 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.267,57
    +33,16 (+2,69%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.661,58
    -474,15 (-1,63%)
     
  • NIKKEI

    28.552,40
    -547,98 (-1,88%)
     
  • NASDAQ

    13.743,25
    -51,00 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6862
    -0,0163 (-0,24%)
     

Ibovespa fecha em queda com ajustes tendo Turquia e Covid-19 sob holofotes

Paula Arend Laier
·3 minuto de leitura
Sede B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em queda nesta segunda-feira, com as ações da Vale e da Petrobras entre as maiores pressões de baixa, além de reflexos do desconforto com emergentes após troca do comando do banco central na Turquia e temores sobre a Covid-19.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 1,07%, a 114.978,86 pontos. No pior momento, bateu 113.619,52 pontos. O volume financeiro da sessão somou 26 bilhões de reais.

O declínio ocorre após o Ibovespa subir 1,8% na semana passada, apoiado na sinalização "dovish" do banco central dos Estados e tentativa do Copom de ancorar projeções de inflação, além de alguma trégua nos Treasuries.

Na Turquia, o presidente Tayyip Erdogan surpreendeu no fim de semana e demitiu o presidente "hawkish" do banco central turco, Naci Agbal, provocando temores de uma reversão das recentes altas dos juros.

A tensão com a decisão de Erdogan contagiou outros países emergentes, como o Brasil, embora a pressão na bolsa paulista tenha diminuído durante a sessão diante do viés positivo em Wall Street e queda nos rendimento dos Treasuries.

O pregão brasileiro ainda teve de pano de fundo receios de que novas medidas de lockdown na Europa, enquanto o Brasil deve alcançar nos próximos dias 300 mil mortes e 22 milhões de casos desde o começo da pandemia.

Estrategistas do Credit Suisse reduziram o Brasil para 'benchmark' no grupo de mercados emergentes (GEM) em estratégia global, citando preocupações políticas, a posição fiscal do país e o impacto da Covid-19.

Economias, ex-BCs, ex-ministros, empresários e outros nomes conhecidos do mercado financeiro assinaram uma carta publicada na imprensa nesta segunda-feira cobrando do governo aceleração do ritmo de vacinação e outras medidas.

Na visão do analista Régis Chinchila, da Terra Investimentos, o Ibovespa tem uma resistência importante em 116 mil pontos, que se for ultrapassada pode gerar pressão compradora para médio prazo.

Ele também relacionou esse movimento a sinais favoráveis sobre vacinação em massa e evolução das reformas administrativas e tributária. Para Chinchila, o Ibovespa deve chegar a 130 mil pontos até o final do ano.

DESTAQUES

- VALE ON caiu 1,66%, com outras ações de mineração e siderurgia também no vermelho, na esteira do declínio dos futuros do minério de ferro na China diante da chance de mais cortes de produção em Tangshan.

- PETROBRAS PN recuou 2%, em meio a ajustes após acumular alta nas últimas três semanas, também afetada pela piora da confiança em relação a emergentes, enquanto os preços do petróleo mostravam variações pequenas no exterior.

- EMBRAER ON perdeu 7,44%, com receios relacionados à Covid-19 abrindo espaço para correção dos papéis, que até a sexta-feira subiam 18,6% em março. AZUL PN e GOL PN cederam 6,1% e 3,63%, respectivamente.

- ITAÚ UNIBANCO PN subiu 0,57% e BRADESCO PN cedeu 0,52%, afastando-se das mínimas de mais cedo, quando o setor contaminado pelo declínio de papéis de bancos no exterior, após as notícias da Turquia.

- GPA ON avançou 5,05%, após forte valorização na semana passada, com agentes recalculando o potencial de crescimento do grupo após cisão do Assaí, além da chance de oferta de ações da Cnova, na qual detém participação.