Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.098,02
    +329,96 (+1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Ibovespa fecha em alta, mas sem fôlego para ultrapassar 107 mil pontos

Por Paula Arend Laier
·3 minuto de leitura
.
.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta quinta-feira, após trocar de sinal algumas vezes, beneficiado pela melhora em Wall Street e com as ações da PetroRio disparando 30% após comprar participações da BP em dois blocos no pré-sal.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,52%, a 106.669,90 pontos, mantendo o sinal positivo na semana em 1,86%. O volume financeiro somou 27 bilhões de reais.

No melhor momento, encostou em 107 mil pontos, mas faltou fôlego para superar o patamar e buscar novas máximas da semana, com o avanço da Covid-19 e novas medidas restritivas sendo adotadas por vários países minando apostas mais otimistas.

Ainda assim, em meio a noticiário promissor sobre o desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus e fluxo positivo de estrangeiros na bolsa, o Ibovespa já acumula alta de 13,5% em novembro.

Agentes financeiros ainda têm associado a recuperação neste mês a uma rotação de portfólios para ações de valor e cíclicas, com maior peso no índice, em detrimento de papéis de crescimento e tecnologia.

Os pregões em Nova York também tiveram uma sessão sem tendência muito clara, com dados do mercado de trabalho dos Estados Unidos elevando preocupações quanto a uma desaceleração da recuperação econômica sem novos estímulos. Ainda assim, o S&P 500 conseguiu fechar no azul.

Na visão do sócio da Monte Bravo Investimentos Rodrigo Franchini, o mercado continua ajustando preços enquanto espera novos catalisadores, principalmente mais estímulos econômicos nos EUA, para retomar um comportamento mais comprador.

No Brasil, acrescentou, há também a questão fiscal e incertezas sobre à pauta de reformas que adicionam volatilidade.

DESTAQUES

- PETRORIO ON saltou 29,94%, em meio à notícia de que vai adquirir da britânica BP fatias de 35,7% no bloco BM-C-30 (campo de Wahoo) e 60% no bloco BM-C-32 (Itaipu), tornando-se assim operadora de ambos.

- GOL PN subiu 4,92%, após divulgar que está operando com 50% da programação de voos em novembro ante o mesmo mês de 2019, com o consumo de caixa em outubro ficando menor do que o previsto. AZUL PN avançou 4,02%.

- VALE ON fechou em alta de 1,91%, em sessão positiva para o setor de mineração e siderurgia, uma vez que os futuros do minério de ferro de Dalian e Cingapura saltaram para novas máximas. CSN ON valorizou-se 3,41%.

- PETROBRAS PN subiu 1,15%, apesar das variações discretas dos preços do petróleo no mercado externo, onde o Brent fechou com decréscimo de 0,32%, a 44,20 dólares o barril. PETROBRAS ON ganhou 0,91%.

- BRADESCO PN e ITAÚ UNIBANCO PN avançaram apenas 0,08% e 0,14%, respectivamente, perdendo força durante a sessão, em mês marcado pela recuperação do setor.

- B3 ON subiu 2,35%, dado o cenário ainda favorável para a companhia com o crescimento da atividade no mercado de capitais no país, tendo de pano de fundo as taxas de juros em mínimas históricas.

- BRF ON fechou em baixa de 2,49% após figurar entre as maiores altas na véspera, acompanhada de outros papéis do segmento, como Marfrig e Minerva. JBS ON descolou e subiu 0,97%.

- COGNA ON e YDUQS ON recuaram 2,92% e 2,39%, respectivamente, também corrigindo elevação expressiva dos papéis no pregão de quarta-feira.