Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,14
    +0,23 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.809,30
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    19.060,61
    -59,70 (-0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,31
    +9,56 (+2,58%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.938,97
    +350,77 (+1,32%)
     
  • NIKKEI

    26.689,18
    +523,59 (+2,00%)
     
  • NASDAQ

    12.168,00
    +92,00 (+0,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4017
    +0,0048 (+0,08%)
     

Ibovespa fecha em alta e termina perto de 101 mil pontos

Por Paula Arend Laier
·2 minuto de leitura
.
.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta sexta-feira, perto dos 101 mil pontos e em uma semana marcada pelas eleições nos Estados Unidos e nova bateria de balanços corporativos no Brasil.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa encerrou com variação positiva de 0,15%, a 100.905,13 pontos, de acordo com dados preliminares, o que resultou em uma alta de 7,4% na semana.

O volume financeiro na bolsa paulista nesta sexta-feira alcançava 22,8 bilhões de reais, antes do ajuste de fechamento.

No pior momento, o Ibovespa chegou a 99.937,04 pontos, reflexo de movimentos de realização de lucros após três sessões de alta, mas as vendas perderam força e o índice cheogu a superar 101 mil pontos.

A movimentação na B3 acompanhou em Wall Street, com o S&P 500 em leve alta, após um rali desde o começo da semana, conforme o democrata Joe Biden se consolidava à frente na disputa pela Casa Branca.

As bolsas, contudo, fecharam para o fim de semana sem um desfecho para a corrida presidencial, com a apuração dos votos - que começou no último dia 3 - ainda em andamento em Estados considerados cruciais.

No Brasil, a aceleração do IPCA em outubro para a maior taxa para o mês em 18 anos repercutiu nos negócios, mas o diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, afirmou que está "supertranquilo" com inflação.

À Reuters, o Florian Bartunek, sócio-fundador da Constellation Asset, afirmou que embora não exista uma "preocupação enorme com a inflação agora", é uma variável que deve ser monitorada, principalmente com o fiscal deteriorado.

"Se o mercado começar a ter a percepção que a inflação é um problema, isso afeta o juro longo... e quanto mais alto o juro longo menos interessante fica a bolsa", citou.

A temporada de balanços também fez preço no último pregão da semana, com Iguatemi ON subindo 5%, entre as maiores altas, após lucro de 61,6 milhões de reais no terceiro trimestre e percepção de retomada nas vendas.

Lojas Renner ON, por sua vez, caiu 2%, entre os destaques de baixa, após prejuízo no terceiro trimestre, com forte queda de receitas devido a limitações de funcionamento em boa parte da rede por causa da pandemia.

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

(Edição de Aluísio Alves)