Mercado fechará em 2 h 55 min
  • BOVESPA

    118.170,27
    -1.476,12 (-1,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.040,64
    -85,07 (-0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,13
    -0,18 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.863,60
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    31.409,48
    -2.092,62 (-6,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,68
    -54,23 (-7,98%)
     
  • S&P500

    3.859,64
    +7,79 (+0,20%)
     
  • DOW JONES

    31.235,82
    +47,44 (+0,15%)
     
  • FTSE

    6.722,80
    -17,59 (-0,26%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.385,00
    +90,75 (+0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5199
    +0,1119 (+1,75%)
     

Ibovespa fecha em alta e flerta com 118 mil pontos pela 1ª vez desde janeiro

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta quarta-feira, superando os 118 mil pontos pela primeira vez desde janeiro no melhor momento e encostando na máxima histórica, com fluxo externo e avanço de blue chips ajudando consolidar o sinal positivo em 2020.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,54%, a 117.941,15 pontos, maior patamar de fechamento desde 24 de janeiro, segundo dados preliminares, tendo alcançado 118.178,44 pontos na máxima do dia.

A pontuação recorde de fechamento do Ibovespa é de 23 de janeiro, quando terminou a 119.527,63 pontos. A máxima intradia é do dia 24, quando chegou a 119.593,10 pontos, mas fechou a 118.376,36 pontos.

Agora, no ano, o Ibovespa acumula acréscimo de 1,99%.

O volume financeiro nesta sexta-feira somava 30,1 bilhões de reais, em sessão marcada por vencimento de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro.

De pano de fundo, o Federal Reserve prometeu continuar injetando recursos nos mercados financeiros de forma contínua contra a recessão, enquanto, no Brasil, a Câmara aprovou a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2021.

(Por Paula Arend Laier)