Mercado abrirá em 9 h 38 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    +0,62 (+1,38%)
     
  • OURO

    1.807,70
    +3,10 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    19.031,45
    -37,04 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,46
    +8,70 (+2,35%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.855,17
    +266,97 (+1,00%)
     
  • NIKKEI

    26.636,64
    +471,05 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    12.162,00
    +86,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4024
    +0,0055 (+0,09%)
     

Ibovespa fecha em alta e flerta com níveis pré-pandemia em meio a otimismo sobre vacina

·1 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta segunda-feira, chegando a superar os 106 mil pontos durante o pregão, o que não acontecia desde o começo de março, mês que marca o agravamento da crise desencadeada pela pandemia de Covid-19 no Brasil.

Investidores reagiram positivamente ao anúncio da farmacêutica norte-americana Moderna, de que sua vacina experimental é 94,5% eficaz na prevenção da Covid-19, com base em dados preliminares de um estudo clínico em estágio avançado.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,7%, a 106.502,52 pontos, segundo dados preliminares, na máxima da sessão, maior pontuação para fechamento desde 4 de março.

O volume financeiro somava 49 bilhões de reais, inflado pelo vencimento de contratos de opções sobre ações, units e ETFs (fundos de ações negociados em bolsa) na B3, que movimentou 14 milhões de reais, e blocktrade com papéis da Vale.

(Por Paula Arend Laier)