Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.526,65
    -2,72 (-0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Ibovespa fecha em alta com salto de Vale, mas recua na semana com risco fiscal

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - Uma euforia em ações de mineração e siderurgia em meio a perspectivas ligadas à China, fez o Ibovespa subir nesta sexta-feira, mas um movimento insuficiente para reverter da semana em que o risco fiscal minou a confiança dos agentes financeiros.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 2,26%, a 112.253,49 pontos, acumulando na semana, porém, uma queda de 5%.

O volume financeiro na sessão somou 49,6 bilhões de reais.

A decisão da China de aliviar algumas regras contra a Covid-19, confirmando rumores recentes, trouxe ânimo a commodities como o minério de ferro, o que beneficiou o Ibovespa, dado o peso dessas ações na composição do índice.

O anúncio de medidas para uma gradual flexibilização do Covid zero na China é considerado um gatilho importante no curto prazo, uma vez que essa política vinha sendo vista como um entrave para uma retomada do crescimento do país.

O desempenho aliviou a perda do Ibovespa na semana marcada por receios de deterioração fiscal no Brasil, após declarações do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva.

"Eu vi muitos exageros ontem", afirmou o superintendente da Necton/BTG Pactual, Marco Tulli, acrescentando que há muitos testes de ensaio com nomes, supostas medidas e ademais para sentir reações, mas que na prática nada mudou - "nem de ontem para hoje nem da semana passada".

Na véspera, Lula afirmou que há gastos públicos que têm que ser considerados como investimentos. Também criticou o mecanismo de teto de gastos, afirmando que ele deve ser discutido com a mesma seriedade que questões sociais do país.

As declarações foram feitas enquanto se negocia a PEC de Transição, proposta pelo novo governo, que adiciona mais gastos sem apontar fontes claras de financiamento.

Para Dan Kawa, diretor da TAG Investimentos, o mercado deve seguir volátil até o fiscal ganhar uma âncora de longo prazo.

DESTAQUES

- VALE ON saltou 10,4%, a 82,30 reais, maior alta desde março de 2020, após forte avanço dos preços do minério de ferro na China, onde o contrato futuro mais negociado na bolsa de Dalian em alta de 5%. A China tem aliviado regras de isolamento social ligadas à Covid-19. No setor de mineração e siderurgia, CSN ON disparou 16,81%.

- PETROBRAS PN subiu 3,33%, a 26,99 reais, em dia de alta do petróleo Brent, apesar de receios relacionados à estratégia da petrolífera de controle estatal a partir de 2023, com o retorno de Lula ao Palácio do Planalto.

- JBS ON valorizou-se 11,92%, a 27,80 reais, mesmo com a queda de 47% no lucro do terceiro trimestre, com analistas destacando o desempenho da unidade Seara. A JBS avalia que investimentos realizados na Seara vão elevar a importância dessa unidade. No setor, MARFRIG ON, que também divulgou balanço, subiu 8,59, a 11,76 reais.

- YDUQS ON subiu 8,38%, a 12,8 reais, após quatro quedas seguidas, período em que acumulou uma perda de quase 28%. A empresa divulgou na véspera resultado operacional de terceiro trimestre dentro do esperado. COGNA ON, que também reportou seus números na quinta-feira com prejúizo, caiu 5,68%. Seus executivos afirmaram que competição e ambiente macro dificultam altas de preços.

- ITAÚ UNIBANCO PN recuou 3,22%, a 26,73 reais, mesmo após crescimento de 19% no seu lucro líquido recorrente de julho a setembro. O maior banco da América Latina previu alta da inadimplência no varejo no quarto trimestre. No setor, BANCO DO BRASIL ON caiu 2,23%, enquanto BRADESCO PN subiu 1,68% e SANTANDER BRASIL UNIT avançou 2,27%.

- B3 ON cedeu 5,48%, a 12,58 reais, após ter chegado a cair mais de 7%, após o balanço do terceiro trimestre, com queda de quase 11% no lucro. Analistas do Credit Suisse cortaram a recomendação dos papéis para "neutra" citando perspectivas mais incertas.

- MAGAZINE LUIZA ON despencou 13,07%, a 3,46 reais, na esteira do resultado trimestral, em meio ao ceticismo de analistas, apesar de sinalizações mais positivas da varejista para o último trimestre do ano e 2023. AMERICANAS ON e VIA ON, que também reportaram seus desempenhos trimestrais, recuaram 3,4% e 5,43%, respectivamente.

- LOCAWEB ON perdeu 9,82%, a 8,08 reais, um dia após reportar aumento no prejuízo trimestral. Em termos ajustados, a companhia de serviços de tecnologia teve lucro de 33,4 milhões de reais, alta de 30,8% ano a ano.