Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.279,12
    +153,23 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Ibovespa fecha em alta de 2%, retoma patamar de 112 mil pontos

·1 minuto de leitura
Sede B3

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice de ações brasileiras recuperou o patamar de 112 mil pontos nesta quarta-feira, refletindo alívio do mercado com medidas do governo chinês para evitar pânico no setor imobiliário e após a autoridade monetária dos Estados Unidos indicar redução gradual de estímulos à economia.

Segundo dados preliminares, o Ibovespa subiu 2,06%, aos 112.526,37 pontos. O volume de negócios da sessão totalizou 33 bilhões de reais.

O arrefecimento das tensões com a China e de seus efeitos sobre os preços das commodities metálicas aliviou ações de empresas brasileiras ligadas a metais que exportam para o país, como Vale.

Na mão contrária, os setores de saúde e de consumo doméstico foram a nota negativa do dia, antes de o Banco Central brasileiro provavelmente anunciar mais um aumento de juro.

(Por Aluísio Alves)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos