Mercado fechará em 15 mins
  • BOVESPA

    109.763,35
    +2.384,43 (+2,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.887,69
    +620,49 (+1,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,95
    +1,89 (+4,39%)
     
  • OURO

    1.805,30
    -32,50 (-1,77%)
     
  • BTC-USD

    19.165,49
    +713,53 (+3,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,79
    +10,04 (+2,72%)
     
  • S&P500

    3.636,78
    +59,19 (+1,65%)
     
  • DOW JONES

    30.049,43
    +458,16 (+1,55%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.054,50
    +149,25 (+1,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3949
    -0,0454 (-0,70%)
     

Ibovespa engata nova alta e orbita 100 mil pontos com EUA ainda em foco

Por Paula Arend Laier
·2 minuto de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista mantinha o viés positivo nesta quinta-feira, alinhado aos mercados de ações no exterior, onde as atenções continuam voltadas para as eleições nos Estados Unidos, enquanto a pauta brasileira traz mais balanços corporativos.

Às 11:03, o Ibovespa subia 2,12%, a 99.944,52 pontos. O volume financeiro somava 5 bilhões de reais.

Nos EUA, futuros acionários encontravam supote em apostas de que um potencial impasse político pode reduzir a chance de grandes mudanças que possam afetar as empresas norte-americanas, como alta de impostos.

Ainda assim, investidores continuam monitorando a apuração dos votos e o risco de uma eleição presidencial contestada.

Da temporada de resultados, as atenções se voltam para os números de Banco do Brasil, Mercado Livre, Cia Hering, Ultrapar e Ecorodovias entre outros.

"Há espaço para emplacarmos a terceira alta seguida e buscar novamente o patamar perdido de 100 mil pontos", avalia o sócio e economista-chefe do banco digital modalmais, Alvaro Bandeira, conforme nota encaminhada a clientes.

DESTAQUES

- ULTRAPAR ON saltava 9,44%, após resultado acima das previsões de analistas no terceiro trimestre, com o grupo multissetorial se beneficiando da gradual retomada da economia brasileira dos efeitos da pandemia de coronavírus.

- FLEURY ON subia 6,14%, tendo de pano de fundo anúncio do grupo de medicina diagnóstica de formação de um fundo de 200 milhões de reais em parceria com a rival Sabin para investir em startups de saúde.

- VIA VAREJO ON valorizava-se 5,54%, com o setor associado a comércio eletrônico como um todo em alta, após o Mercado Livre divulgar novos recordes operacionais no terceiro trimestre.

- ECORODOVIAS ON tinha elevação de 4,54%, em meio à repercussão do balanço do terceiro trimestre, mostrando que o tráfego nas estradas sob concessão da administradora se recuperou gradualmente.

- BANCO DO BRASIL ON subia apenas 1,19%, após queda no lucro do terceiro trimestre, uma vez que o banco reservou mais 2 bilhões de reais para potenciais perdas com empréstimos decorrentes da crise do coronavírus.

- ITAÚ UNIBANCO PN valorizava-se 3,12%, ainda embalada pelas expectativas relacionadas aos planos do banco envolvedndo a sua participação na XP Inc. BRADESCO PN avançava 1,98%.

- CSN ON caía 3,68%, com o setor de siderurgia e mineração entre as poucas quedas da sessão, tendo no radar notícia do Valor Econômico de que o IPO da CSN mineração deve ficar para 2021. VALE ON destoava e subia 0,47%.

- PETROBRAS PN tinha acréscimo de 0,86%, mesmo com a fraqueza dos preços do petróleo no exterior.