Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.097,15
    -2.333,39 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.668,03
    +103,76 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,42
    -2,45 (-3,11%)
     
  • OURO

    1.941,70
    -3,60 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    23.115,33
    -71,46 (-0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,19
    +280,51 (+115,59%)
     
  • S&P500

    4.056,38
    -20,22 (-0,50%)
     
  • DOW JONES

    33.756,12
    -329,92 (-0,97%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.135,25
    -16,75 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5442
    +0,0286 (+0,52%)
     

Ibovespa engata 5ª alta seguida e orbita 111 mil pontos

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou no azul pelo quinto pregão consecutivo nesta terça-feira, em meio a um ambiente favorável a ativos de risco - com avanço em Wall Street e alta de commodities, além de alívio na curva de juros do Brasil - e níveis de preços considerados atrativos por investidores.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,51%, a 110.782,15 pontos, de acordo com dados preliminares, após ter chegado a cair a 108.478,19 pontos. No melhor momento, bateu 111.193,43 pontos. O volume financeiro somava 21,3 bilhões de reais.

Investidores seguiram monitorando os desdobramentos dos ataques às sedes dos Três Poderes em Brasília, mas a visão de consenso político condenando os atos e de determinação das autoridades para controlar rapidamente a situação, assim como a ausência de reflexos econômicos, blindava as ações na B3.

(Por Paula Arend Laier)