Mercado fechado

Ibovespa encerra em queda de 3,29%, a 114.481,84 pontos

Giovanna Almeida
Ibovespa encerra em queda de 3,29%, a 114.481,84 pontos

O Ibovespa encerrou, nesta segunda-feira (27), em queda de 3,29%, a 114.481,84 pontos. A variação negativa é a maior registrada pelo índice acionário desde o dia 27 de março de 2019, quando a queda foi de 3,57%.

A baixa do Ibovespa ocorreu em meio as tensões globais por conta do aumento de casos do coronavírus. Além disso, confira quais foram as principais notícias que movimentaram o mercado:

  • Oi (OIBR4) Móvel pode ser dividida entre Tim e Vivo após venda de R$ 15 bi;
  • JSL (JSLG3) volta a cogitar IPO da Vamos, sua subsidiária.

Coronavírus

Os mercados globais seguem atentos ao coronavírus. Nesta segunda-feira, as principais bolsas de valores do mundo operaram em forte queda. Na China, os mercados financeiros fechados até, no mínimo, a próxima segunda-feira (3). As autoridades chinesas estenderam o feriado do Ano Novo Lunar para tentar tomar novas medidas que possam conter a propagação do vírus.

Saiba mais: OMS muda alerta sobre coronavírus para "elevado risco internacional"

O Nikkei, principal índice da Bolsa de Valores de Tóquio fechou em queda de 2,03%, em 23.343,51. A Bolsa de Londres fechou em queda de 2,30%, em 7.768 pontos. O Dax 30, principal índice da Bolsa de Valores de Frankfurt, na Alemanha, caiu 2,74%, em 13.204 pontos. A Bolsa de Valores de Nova York opera em queda 1,57%, em 3.243 pontos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) modificou o nível de risco do coronavírus. Segundo a organização internacional, a epidemia é agora considerada de "elevado risco internacional".

Oi Móvel pode ser dividida entre Tim e Vivo

A operação móvel da Oi pode ser dividida entre a Tim (TIMP3) e Vivo (VIVT4) em uma transação de cerca de R$ 15 bilhões. As informações são do jornal "O Globo" e do banco BTG Pactual (BPAC11).

Saiba mais: Oi Móvel pode ser dividida entre Tim e Vivo após venda de R$ 15 bi

Em um relatório divulgado no último domingo (26), o banco estima que a empresa italiana levaria 70% da operação móvel da Oi, enquanto a portuguesa Vivo ficaria com os 30% residuais. Segundo os analistas, essa seria a única forma com que os órgãos antitruste do Brasil aprovem o negócio.

A Oi e a Tim, juntas, dominariam mais de 50% do mercado do Paraná, Santa Catarina e outros cinco estados do Nordeste. Além disso, a parceria entre as companhias também teria uma operação forte no Sudeste, Centro-Oeste e Norte, mas não seriam dominantes.

JSL cogita IPO de subsidiária

A JSL anunciou que avalia, novamente, como uma forma de captação de recursos, realizar uma oferta pública inicial das ações (IPO) de uma de suas subsidiárias, a Vamos.

Saiba mais: JSL volta a cogitar IPO da Vamos, sua subsidiária

Segundo o fato relevante, a abertura de capital está sujeita às condições dos mercados de capitais nacional e internacional, além das aprovações societárias competentes. Por conta disso, a empresa ressalta que, por hora, “não há qualquer decisão quanto à efetiva realização de uma oferta, bem como quanto à sua estrutura e volume”.

A companhia diz que "manterá o mercado informado sobre quaisquer desdobramentos ou deliberações a respeito do tema, respeitadas as restrições constantes das normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e demais legislações aplicáveis."

Última cotação do Ibovespa

Na última sessão, sexta-feira (24), o Ibovespa encerra em queda de 0,96%, a 118.376,36 pontos.