Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.966,41
    -35,70 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Ibovespa em volatilidade "altíssima" por eleições avança em dia cheio de balanços

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa avançava nesta quinta-feira, após três quedas seguidas, com agentes financeiros realizando os últimos ajustes de olho no segundo turno da eleição no domingo, enquanto analisam uma bateria de resultados corporativos.

Às 12:13, o Ibovespa subia 0,96%, a 113.849,53 pontos, após perder quase 6% nos três pregões anteriores. Na máxima mais cedo, chegou a 114.295,69 pontos. O volume financeiro somava 11 bilhões de reais.

"A volatilidade está altíssima" afirmou o analista Régis Chinchila, da Terra Investimentos, avaliando que o mercado tenta respirar um pouco nesta sessão com balanços melhores e após a queda dos últimos dias.

"O cenário eleições continua tomando conta e no momento mercado projeta uma 'possível' vitória do Lula, o que poderia favorecer ações vinculadas a consumo de massa e educação, com mais crédito, políticas sociais mais fortes", acrescentou.

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem mantido a liderança nas principais pesquisas de intenções contra Jair Bolsonaro (PL), com algumas mostrando melhora do petista, embora dentro da margem de erro.

O Datafolha divulgará nova pesquisa sobre o segundo turno da eleição presidencial nesta quinta-feira.

Na visão do economista-chefe da RPS Capital, Victor Candido, a bolsa está refletindo uma descompressão de risco, após os últimos dias que contaram com episódios que incluem o ataque de Roberto Jefferson, aliado de Bolsonaro, com tiros de fuzil e granadas contra agentes da Polícia Federal.

Candido, contudo, não descarta que a tendência mais negativa volte no final do dia e com mais intensidade na sexta-feira, na reta final da eleição.

Em Wall St, os pregões tinham um desempenho sem direção comum, com o Dow Jones em alta após balanços corporativos positivos e recuperação do crescimento econômico dos Estados Unido no terceiro trimestre, enquanto a queda das ações da Meta pressionava o Nasdaq.

DESTAQUES

- YDUQS ON disparava 12,41%, a 15,04 reais, embalada pelas expectativas eleitorais, com COGNA ON avançando 6,71%, a 3,02 reais. Lula tem dito que um dos focos de seu governo será voltado para a educação.

- IRB BRASIL ON valorizava-se 9,3%, a 0,94 real, após renovar mínima histórica na véspera, de 0,86 real, considerando a cotação de fechamento. No ano, porém, os papéis acumulam um tombo de quase 77%, com resultados negativos e preocupações sobre os níveis de capital regulatório da resseguradora.

- ASSAÍ ON avançava 7,79%, a 18,41 reais, após a companhia divulgar na noite da véspera que seu controlador, o francês Casino, iniciou estudos para possível venda de participação na rede de atacarejo por cerca de 500 milhões dólares. O Assaí também anunciou a saída do vice-chairman da empresa Ronaldo Iabrudi.

- GOL PN subia 3,17%, a 8,45 reais, desacelerando a alta, que chegou a mais de 8% no melhor momento. A companhia aérea divulgou mais cedo balanço trimestral com prejuízo menor e previsão de que o lucro diluído por ação deve ser de zero no ano.

- AMBEV ON tinha elevação de 2,98%, a 15,55 reais, diante de lucro líquido no terceiro trimestre maior do que o esperado por analistas. A empresa reafirmou uma projeção de crescimento de receita e Ebitda no segundo semestre em níveis maiores do que no primeiro.

- KLABIN UNIT cedia 1,09%, a 20,93 reais, mesmo após reportar um salto de quase 70% no lucro do terceiro trimestre, impulsionado por expansão da receita na esteira da desvalorização do real ante o dólar e em altas de preços de produtos. As units vinham de uma sequência de cinco altas, em que acumularam elevação de 3,6%. A companhia disse que espera um quatro trimestre melhor ante 2021.

- VALE ON caía 5,1%, a 69,78 reais, com o setor de mineração e siderurgia entre as poucas quedas do Ibovespa na sessão. Os contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Cingapura ampliaram as perdas nesta quinta-feira, sendo negociados abaixo de um nível de suporte importante de 90 dólares por tonelada.

- PETROBRAS PN tinha acréscimo de 1,13%, a reais, experimentando uma trégua após acumular um tombo de mais de 13% nos três pregões anteriores. O papel segue suscetível ao cenário eleitoral e nesta sessão encontrava algum suporte da alta dos preços do petróleo no mercado internacional.

- BANCO DO BRASIL ON subia 1,13%, a 38,54 reais, refletindo uma pausa nas vendas dos últimos três dias, quando contabilizou uma perda de quase 15%. No setor, ITAÚ UNIBANCO PN avançava 1,67% e BRADESCO PN valorizava-se 1,59%, também recuperando-se de um dia mais negativo na véspera, quando o balanço no Santander Brasil pesou sobre o setor. SANTANDER BRASIL UNIT mostrava acréscimo de 1,26%.