Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.793,85
    +1.724,16 (+1,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.582,96
    -14,33 (-0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,81
    +3,55 (+5,36%)
     
  • OURO

    1.779,50
    -4,40 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    49.157,16
    +132,73 (+0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.269,06
    +8,90 (+0,71%)
     
  • S&P500

    4.595,13
    +56,70 (+1,25%)
     
  • DOW JONES

    35.223,54
    +643,46 (+1,86%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.349,38
    -417,31 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.840,00
    +122,25 (+0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4176
    +0,0223 (+0,35%)
     

CORREÇÃO-Ibovespa desaba 4% com especulações sobre Guedes; agentes sugerem carteiras defensivas

·2 min de leitura

(Corrige no 4º parágrafo para 2021, não 2020)

(Corrige no 4º parágrafo para 2021, não 2020)

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da bolsa brasileira afundava nesta sexta-feira, com o pessimismo com o quadro macroeconômico evoluindo para especulações sobre demissão do ministro da Economia, Paulo Guedes, e especialistas passando a sugerir que investidores busquem papéis de empresas experientes em superar crise.

Às 12:33, o Ibovespa mostrava baixa de 4,2%, aos 103.227,02 pontos, em novas mínimas desde novembro passado.

Segundo o G1, o presidente Jair Bolsonaro autorizou sondagem de um nome para substituir Guedes, mesmo após ter reafirmado na véspera que manterá o atual ministro no cargo. Guedes cancelou participação em evento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) nesta sexta-feira, alegando despachos internos.

Simultaneamente, várias casas de análise pioravam suas perspectivas para crescimento econômico, inflação, juros e dívida pública para 2021, incluindo Morgan Stanley, Credit Suisse e UBS.

Em relatório a clientes, a Levante Investimentos recomendou "monitorar ações de empresas sólidas, rentáveis e com 'track record' comprovado de superação de momentos de crise", indicando evitar ações de estatais e das ligadas ao consumo doméstico.

Nesse cenário, ações ligadas a exportações de commodities, como Vale e Suzano, se isolavam entre as altas da sessão. Na outra ponta, papéis de empresas baseadas em expansão acelerada voltavam a ser as líderes de perdas, como de bancos digitais e companhias de comércio eletrônico.

DESTAQUES

- GETNET desabava 22,4% com a empresa de pagamentos do Santander na terceira sessão seguida no vermelho, o que esvaziava os fortes ganhos após sua estreia na segunda-feira.

- BANCO INTER despencava 12,4%, BANCO PAN perdia 8,9%, com os bancos digitais saindo do radar dos investidores num cenário de juros em elevação, justo no momento em que ampliavam apostas no crédito.

- SOMA devolvia 10,4%, AMERICANAS declinava 9,3% e LOJAS RENNER perdia 8,9%, diante da rápida deterioração das expectativas para o cenário das empresas ligadas ao consumo doméstico.

- ELETROBRAS era depreciada em 6,8%, PETROBRAS ruía 5,1%, na esteira de temores de que estatais sejam também envolvidas pelo governo em medidas populistas durante o ano eleitoral de 2022.

- SUZANO disparava 8,4%, estendendo ganhos da véspera, quando anunciou plano de antecipar meta de remover 40 milhões de toneladas de CO2 da atmosfera, de 2030 para 2025. No setor, KLABIN ganhava 6,5%, após o Bank of America reforçar recomendação de compra para a ação.

- VALE subia 1,4%, mesmo em dia de queda dos preços do minério de ferro, uma vez que o pagamento de um cupom de dívida da incorporadora Evergrande amenizou temores de crise no setor imobiliário chinês, principal mercado da companhia. No setor, GERDAU tinha baixa de 0,45%, USIMINAS perdia 1,8% e CSN caía 1,3%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos