Mercado fechará em 2 h 44 min
  • BOVESPA

    109.797,50
    -335,03 (-0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.992,34
    -208,25 (-0,49%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,97
    -0,74 (-1,62%)
     
  • OURO

    1.807,70
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    16.984,59
    -994,58 (-5,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    331,44
    -39,08 (-10,55%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.361,77
    -29,32 (-0,46%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.189,50
    +37,25 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3242
    -0,0135 (-0,21%)
     

Ibovespa chega aos 96 mil pontos com aversão ao risco mundial

Marcelle Gutierrez
·2 minuto de leitura

A quarta-feira inicia com uma forte aversão ao risco nos mercados globais e o Ibovespa bate a marca dos 96 mil pontos. A rápida propagação da covid-19 na Europa e a chance cada vez mais iminente de medidas de isolamento social (lockdown) é o que causa o mal-estar. Nenhuma ação opera em alta no Ibovespa. Por aqui, o dia também é de agenda cheia, com decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) mais tarde e uma série de resultados corporativos, como Vale, Petrobras e Bradesco. O Ibovespa exibia perdas de 2,76% por volta das 11h20, aos 96.860 pontos e, na mínima, chegou a bater os 96.731 pontos. O volume financeiro também está expressivo, totalizando R$ 6,4 bilhões e com projeção de atingir R$ 35,53 bilhões até o fim do dia. O mal-estar generalizado nas bolsas mundiais vem do avanço da covid-19 e novas medidas de isolamento social que podem ser decretadas nesta semana, o que afeta ainda mais a atividade econômica, ainda em recuperação da primeira onda de contágio. Na Europa, há rumores de que a França estuda um lockdown nacional a partir de amanhã, enquanto a Alemanha deve voltar a fechar bares e restaurantes. Em Nova York, o Dow Jones iniciou a sessão em baixa de 2,01% e o S&P 500 recua 1,82%. A aversão ao risco é tanta, que os investidores parte em busca de proteção no dólar, que chegou a tocar R$ 5,79. Entre as maiores baixas do Ibovespa, destaque para companhias aéreas, diretamente afetadas por lockdowns, e petroleiras. Azul PN cai 5,41%, PetroRio (-4,73%) e Gol PN (-4,62%). Petrobras ON e PN recuam 3,22% e 3,02%, respectivamente, em linha com o recuo de 4,56% do petróleo Brent para dezembro. As ações da estatal petroleira representam mais de 9% do Ibovespa e pesam. Vale ressaltar ainda que a empresa divulga hoje, após o fechamento do mercado, seu resultado do terceiro trimestre de 2020. A perspectiva é de alta de 45,9% da receita líquida ante o trimestre anterior e de avanço de 24% do Ebitda. Outra companhia a reportar seus números hoje é a Vale, cuja ação ON cai 2,05%. A mineradora deve reportar um avanço anual de 7,5% da receita, de 32% do Ebitda e de 118% do lucro líquido, conforme estimativa de analistas consultados pelo Valor. No cenário político local, o noticiário segue esvaziado, mas investidores monitoram sinalizações do que deve ser anunciado após as eleições municipais. Ontem, por exemplo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, criticou a base do governo por obstruir votações.