Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.595,52
    +296,68 (+2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Ibovespa cai e volta aos 95 mil pontos, com temor de piora fiscal

Por Peter Frontini
·1 minuto de leitura

Por Peter Frontini

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa ampliava queda nesta segunda-feira, retornando ao nível de 95 mil pontos, refletindo a cautela de agentes do mercado com o fiscal do país.

Às 14:14, o Ibovespa caía 1,75%, a 95.304 pontos. O volume financeiro era de 14,82 bilhões de reais.

O índice, que chegou a operar em alta no começo da sessão, inverteu a tendência após anúncio de que o presidente Jair Bolsonaro deu sinal verde para fechar a proposta do Renda Cidadã, programa de transferência de renda a ser criado em substituição ao Bolsa Família.

Apesar da afirmação do senador Marcio Bittar de que o programa será custeado com a verba do próprio Bolsa Família, com sobra de recursos após pagamento de precatórios e com uma fatia da verba do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), não foi divulgado o valor do novo programa.

A escassez de informações a respeito elevou a aversão ao risco de investidores, comentou Pedro Paulo Silveira, economista-chefe da Nova Futura Investimentos.

"O mercado prefere esperar um pouco e tomar uma posição mais cautelosa", afirmou.

Apesar do desempenho negativo, papéis de bancos evitavam uma queda ainda maior do índice. Units do Santander subiam cerca de 3%, enquanto ações do Bradesco ganhavam 0,5% e do Banco do Brasil subiam 0,9%.