Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,46
    +0,24 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.817,80
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    16.961,46
    -193,51 (-1,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,44
    -4,71 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.043,75
    -19,00 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4701
    +0,0736 (+1,36%)
     

Ibovespa cai com temor fiscal e rumores sobre Fazenda; Vale e Petrobras pesam

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa firmava queda na tarde desta sexta-feira, pressionado por papéis ligados a commodities, como Vale e Petrobras, e diante de preocupações fiscais no cenário local, em meio a notícias sobre quem deve assumir a pasta da Fazenda no novo governo.

Às 15:43 (de Brasília), o Ibovespa caía 0,76%, a 108.871,71 pontos. Na mínima, o índice caiu a 108.511,71 pontos, enquanto na máxima chegou a 111.584,86 pontos. O volume financeiro era de 20,5 bilhões de reais, em dia de vencimento de opções sobre ações na B3.

Vale e Petrobras eram as principais influências negativas ao índice, enquanto B3 e Hapvida ajudavam a limitar perdas na ponta oposta.

A perspectiva de um ministro da Fazenda inclinado a medidas fiscais heterodoxas aos olhos do mercado estava em foco no mercado.

Na quarta-feira, a Reuters mostrou que o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad era visto como favorito do presidente eleito para a pasta da Fazenda, de acordo com três fontes ouvidas pela Reuters, que frisaram que a decisão não estava tomada.

Rumores sobre a força do nome de Haddad voltaram à mídia nesta sexta-feira, o que ajudou na queda da bolsa, segundo analistas. "Vejo como um adendo aos capítulos anteriores...é mais do mesmo que vivenciamos esta semana", disse Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos.

O índice acumulava queda de 2,9% na semana, o que pode marcar a segunda queda semanal seguida.

Para a economista, Haddad "não é um nome que o mercado gostaria de ter na Fazenda, pelo seu discurso pró expansão dos gastos públicos e contrário às privatizações".

Declarações do vice-presidente eleito Geraldo Alckmin na véspera sinalizando um potencial maior controle fiscal ajudaram no humor positivo do mercado de ações nesta manhã, mas perto do meio-dia a bolsa começou a virar. Além dos temores com os potenciais gastos do novo governo, a queda mais forte do preç9 do petróleo e reversão de ganhos em algumas praças no exterior também impactaram o movimento.

O Ibovespa vem sofrendo nas últimas sessões, especialmente em reação à proposta da equipe de transição de excepcionalizar 175 bilhões de reais do teto de gastos para o pagamento do Bolsa Família a partir de 2023 por tempo indeterminado

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta sexta-feira que a proposta, chamada de PEC da Transição, provocará um aumento do déficit público e da dívida do governo, ressaltando que a questão fiscal poderá interferir nos cenários avaliados pela autoridade monetária para definir sua atuação.

Em Nova York, os principais índices de ações operavam entre alta de 0,2% e queda de 0,5%, após abertura majoritariamente em alta. Membros do Federal Reserve vêm apontando para perspectiva de continuação de aperto monetário forte nos Estados Unidos, o que pressiona as bolsas.

Entre as ações na B3, Vale perdia 2,71%, a 80,85 reais, mesmo após o minério de ferro subir na China, enquanto Petrobras PN tinha queda de 2,32%, a 26,53 reais, com o petróleo pressionado pela situação de demanda no país asiático e cenário de juros nos EUA.

Magazine Luiza recuava 7,08%, a 3,15 reais, enquanto Via caía 7,47%, a 2,23 reais, com alta dos juros futuros pressionando papéis de varejo.