Mercado fechará em 1 h 20 min
  • BOVESPA

    109.262,07
    +160,08 (+0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.571,76
    -936,59 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,91
    -0,64 (-0,75%)
     
  • OURO

    1.833,60
    -9,00 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    38.481,25
    -4.739,70 (-10,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    905,95
    +663,27 (+273,31%)
     
  • S&P500

    4.449,68
    -33,05 (-0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.599,42
    -115,97 (-0,33%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.634,50
    -206,50 (-1,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1618
    +0,0317 (+0,52%)
     

Ibovespa cai com exterior em dia de vencimento de opções e tem queda na semana

·4 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da bolsa brasileira caiu nesta sexta-feira, sob influência negativa nos mercados acionários internacionais, e fechou a semana com queda acumulada.

Investidores seguiram digerindo as decisões de política monetárias de alguns dos principais bancos centrais do mundo, enquanto vencimentos de opções sobre ações no Brasil e de mais de um tipo de contrato nos Estados Unidos movimentaram a sessão.

Vale foi a principal contribuição negativa para o índice, enquanto B3 ficou no lado oposto.

O Ibovespa caiu 1,04%, a 107.200,56 pontos, fechando a semana em queda de 0,52%, após dois períodos de alta. O volume financeiro da sessão foi de 37,9 bilhões de reais.

Em sessão volátil por conta de vencimento de opções, o Ibovespa se manteve no terreno negativo durante todo o dia.

Raphael Figueredo, analista da Eleven, explicou que a "briga" entre comprados e vendidos (quem investiu apostando na alta ou queda de uma ação) gerou volatilidade.

Com noticiário interno mais esvaziado, a bolsa brasileira acompanhou a queda de Wall Street, que ainda reagem a decisões de política monetária em sentidos diferentes nos últimos dias.

O Federal Reserve, dos EUA, indicou na quarta-feira que encerrará em março suas compras de títulos, abrindo caminho para três altas de juros em 2022. No dia seguinte, o Banco Central Europeu prometeu retirar gradativamente os estímulos. E o BC da Inglaterra elevou de forma surpreendente a taxa de juros.

Segundo Figueredo, do ponto de vista das consequências para o mercado interno, ainda não é possível traçar uma direção a partir dessas decisões.

Para ele, o Ibovespa tem espaço para recuperação, levando em conta que o "mês de dezembro costuma ser mais positivo sazonalmente", mas diz que não espera "grandes alvoroços".

Nos EUA, os três principais índices fecharam em baixa, com destaque para o Dow Jones, que cedeu 1,5%. Na Europa, bolsas caíram após decisões de política monetárias e em meio a temores com a variante Ômicron do coronavírus.

DESTAQUES

- BRF subiu 5,4%, após propor um aumento de capital por meio da emissão de 325 milhões de novas ações, potencialmente levantando 6,63 bilhões de reais. O negócio ainda depende de aval de uma assembleia de acionistas em 17 de janeiro e das condições de mercado. Analistas destacaram que o estatuto da BRF permite que um acionista ultrapasse 33,3% de participação sem acionar "poison pill", o que permitiria à Marfrig, caso queira, tomar o controle da empresa através do follow-on sem uma oferta pública de compra a todos os acionistas.

- MARFRIG ON avançou 3,7%. A empresa anunciou dividendos intercalares de 830 milhões de reais e recompra de 100 milhões de dólares em notas sênior com vencimento em 2026.

- BANCO INTER UNIT cedeu 6,1% e PN caiu 6%. Entre outros destaques negativos, YDUQS ON afundou 8,3%, enquanto LOCALIZA ON fechou em -5% e UNIDAS teve queda de 5,4%.

- TAESA UNIT fechou estável, após arrematar o lote 1 do leilão de transmissão de energia, ao ofertar uma receita anual permitida de 129,9 milhões de reais, deságio de 47,76% ante o valor máximo do edital.

- ENERGISA UNIT fechou em +0,1%, após arrematar o lote 5, com deságio de 48,68% sobre o valor máximo. NEOENERGIA ON, que não está no Ibovespa, subiu 0,6% após vencer o lote 4, com deságio de 58,63%. Outros lotes foram arrematadas por empresas não listadas.

- PETROBRAS PN e ON ambas caíram 2,4%, diante da queda do petróleo com preocupações sobre a Ômicron. A estatal também obteve a operação em consórcio de dois blocos ofertados em leilão dos excedentes da cessão onerosa.

- VALE ON caiu 1,6%, mesmo após nova alta do preço do minério de ferro na Ásia diante de expectativa de uma recuperação da demanda por aço na China.

- GPA ON e ASSAÍ ON recuaram 0,6%. As empresas informaram que os membros independentes do conselho de administração de ambas aprovaram o contrato de cessão de direitos de exploração de pontos comerciais entre as companhias.

- NATURA ON subiu 5,9%, BR MALLS ON avançou 5,5% e MAGAZINE LUIZA ON teve alta de 4,1% entre os destaques positivos.

(Por Andre Romani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos